Estabelecimento de uma rede estruturante da cooperação em educação médica, no âmbito do PECS-CPLP

  • Mário Jorge Fresta Centro de Estudos Avançados em Educação e Formação Médica (CEDUMED) da Universidade Agostinho Neto, Luanda, Angola
  • Maria Amélia Ferreira Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Porto, Portugal
  • António Pedro Delgado Faculdade de Medicina da Universidade de Cabo Verde, Cidade da Praia, Cabo Verde
  • Maria Rosário Sambo Reitoria da Universidade Agostinho Neto, Luanda, Angola
  • Jorge Torgal Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal
  • Mohsin Sidat Faculdade de Medicina da Universidade Eduardo Mondlane, Maputo, Moçambique
  • Paulo Ferrinho GHTM, Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal
Palavras-chave: Educação médica, Faculdades de Medicina, PECS, CPLP

Resumo

Perante o forte crescimento de inciativas de educação médica nos Estados africanos membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa e uma crescente cooperação no ensino médico, justifica-se que, no âmbito do Plano Estratégico de Cooperação em Saúde (PECS) da CPLP, se pense esta cooperação numa abordagem triangular, sul-norte-sul, coordenando as iniciativas num quadro de prioridades discutido e definido colegialmente. As redes criadas para coordenar outras atividades de cooperação no âmbito do PECS apontam um possível caminho. Com história prévia de tentativas de criação de redes de intervenção na educação médica, com a experiência já adquirida, defendemos neste artigo que os atores ativamente envolvidos em cooperação para o desenvolvimento do ensino médico se esforcem para estabelecer uma Rede de Cooperação em Ensino Médico (RECOEM) da CPLP em articulação com outras iniciativas implantadas nos Estados de língua oficial portuguesa, como as cooperações norte-americana e cubana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Barbosa J, Severo M, Fresta M, Ismail M, Ferreira MA, Barros H (2011). How students
perceive medical competences: a cross-cultural study between the Medical Course
in Portugal and African Portuguese Speaking Countries. BMC Med Educ; 11: 24. Doi:
10.1186/1472-6920-11-24
2. Boulet J, Bede C, Mckinley D, Norcini J (2007). An overview of the world’s medical
schools. Med Teac; 29(1):20–6.
3. Cabral J, Dussault G, Buchan J, Ferrinho P (2013). Scaling-up the medical workforce in
Timor-Leste: Challenges of a great leap forward. Soc Sci Med; 96:285-289.
4. Cambournac F (1982). A acção dos portugueses no campo da medicina tropical. O Médico;
102:1–50.
5. Castelo M (2004). Exame de acesso à faculdade de medicina da UAN no ano 2004/2005
- relatório final da vice-direcção para os assuntos académicos. Revista Angolana de Educação
Médica; 2:25-29.
6. Correia GB (2015). Attitudes and perceptions regarding research and clinical practice: a
cross-cultural study comparing Portuguese, Brazilian and Angolan first year medical students.
Dissertation presented to obtain a Master’s degree in Epidemiology at the Institute of Public
Heath of the University of Porto and Department of Medical Education and Simulation, Faculty
of Medicine of the University of Porto.
7. Dias M F, Barbosa J, Loureiro E, Ferreira MA, André A (2010). Opção pelo Curso de
Medicina em Angola: o caso da Universidade Agostinho Neto. RBEM; 34 (3): 346-54.
8. Duvivier RJ, Boulet JR, Opalek A, van Zanten M, Norcini J (2014). Overview of the
world's medical schools: an update. Med Educ;48(9):860-9.
9. Ferreira A (2003). Princípios gerais da reforma curricular na Faculdade de Medicina da
UAN; Deliberação do Conselho Científico. Revista Angolana de Educação Médica:27–31.
(Fre).
10. Ferreira A, Fresta M, Simões C, Sambo MR (2014). Desafios da Educação Médica e da
Investigação em Saúde no Contexto de Angola. Revista Brasileira de Educação Médica.; 38
(1): 133-141; 2014.
11. Ferreira, M A, Ferreira P, Godinho A, Ferrão J, Ismail M, Fresta M (2012). On The
Way To Raise An International Cooperation University Network: The Case Of “Name For
Health”. PAPER ICERI NETWORK 1463.
12. Ferrinho P, Fronteira IF, Sidat M, de Sousa Jr F, Dussault. G (2010 a). Profile and professional
expectations of medical students in Mozambique: a longitudinal study. Human
Resources for Health, 8:21..
13. Ferrinho P, Fronteira I, Sidat M, Hipólito F, Mercer H, Dussault G (2010 b). Formação
médica em Moçambique: realidade e expectativas. Revista Médica de Moçambique, 10,
suplemento Outubro: 52-58.
14. Ferrinho P, Sidat M, Fresta MJ, Rodrigues A, Fronteira I, da Silva F. Mercer H, Cabral
J and Dussault G (2011). The training and expectations of medical students in Angola,
Guinea-Bissau and Mozambique. Human Resources for Health; 9:9.
15. Ferrinho P, Valdes AC, Cabral J (2015). The experience of medical training and expectations
regarding future medical practice of medical students in the Cuban-supported
Medical School in Timor-Leste. Human Resources for Health, 13.
16. Franco RS, Franco CAGDS, Severo M, Ferreira MA (2015) General competences on
medical professionalism: Is it possible? Medical Teacher; 37:10, 976-977,.
17. Fresta M (2003). Reforma do Ensino Médico Público em Angola — O QUÊ? Para
QUÊ e COMO? Revista Angolana de Educação Médica; N° 0 — ano 1.
18. Fresta M (2014). Da Avaliação e Reforma Curricular à Rede das Faculdades de Medicina:
O Caminho da Qualidade (Angola, 2002-2014). Comunicação à 4ª Conferência
FORGES realizada nas Universidades Agostinho Neto e Mandume ya Ndemofayo. Luanda
e Lubango – Angola, 19 a 21 de Novembro.
19. Fresta M (2015). Educação Médica em Angola: Contributo do CEDUMED 2013-
2015. Magazine Risco Zero (Revista de Saúde Ocupacional de Angola). Julho-Outubro;
3:28-35.
20. Fresta M, Bettencourt M, Tuti C, Freitas A, Ferreira P, Ferreira MA (2012). The Master
Course in Medical Education as a Staff Development Program in Angola. Proceedings of
AMEE 2012, pp 164. Lyon, France.
21. Fresta M, Venturelli J, Ferreira A (2004). Reforma do curso de medicina. Conclusões e
recomendações do seminário inicial. Revista Angolana de Educação Médica; 2:15-23.
22. Fresta M; Freitas A; Ferreira P; Ferreira Ma; Simões C; Bettencourt M (2011). Estratégia
de implementação dum Programa de Mestrado em Educação Médica. Botelheiro
(coord). Novas Formas de Cooperação: Espaços de Convergência nos Países Lusófonos.
XXI Encontro da Associação das Universidades de Língua Portuguesa, Bragança, Portugal.
23. Fronteira I, Rodrigues A, Pereira C, Silva AP, Mercer H, Dussault G, Ferrinho P
(2011). Realidades e expectativas dos alunos da licenciatura de medicina da Guiné-Bissau
no ano lectivo 2007. Acta Med Port; 24:265-270.
24. Fronteira I, Sidat M, Fresta M, Sambo MDR, Belo C, Kahuli C, Rodrigues MA, Ferrinho
P (2014). The rise of medical training in Portuguese speaking African countries. Human
Resources for Health; 12: 63. Doi: 10.1186/1478-4491-12-63.
25. Garcia AC, Leone C, Dias S, Hartz Z (2014). Avaliação de programas de formação
médica e de enfermagem pós-graduada: estudo de caso em dois países africanos de língua
oficial portuguesa, 2013. Anais do Instituto de Higiene e Medicina Tropical; 13: 69-80.
26. Gedeon J, Shamlaye C, Myers GJ, Bovet P (2013). Epidemiology and public health
research productivity in Africa. Int J Epidemiol;42(3):913.
27. Governo de Angola, Comissão Interministerial do Plano Nacional de Formação de
Quadros (2015). Relatório de Monitorização PNFQ 2013-2014. Gabinete de Comunicação
e Imagem UTG/PNFQ, Luanda.
28. Greysen SR, Dovlo D, Olapade-Olaopa EO, Jacobs M, Sewankambo N, Mullan F
(2011). Medical education in sub-Saharan Africa: a literature review. Med Educ; 45:973–
986.
29. Joint Learning Initiative (2004). Human resources for health: overcoming the crisis.
http://www.who.int/hrh/documents/JLi_hrh_report.pdf.
30. Kasper J, Bajunirwe F (2012): Brain drain in sub-Saharan Africa: contributing factors,
potential remedies and the role of academic medical centres. Arch Dis Child; 97:973-979.
31. Lapão MC (2011). O exemplo da CPLP no desenvolvimento da cooperação em recursos
humanos para a área da saúde pública num contexto de cooperação Norte-Sul-Sul.
Revista Hospital do Futuro; 14: 55-57.
32. Lourinho I; Godinho A; Ferreira P; Ferreira MA (2011). Conclusões sobre a construção
de uma Rede de Educação Médica em Língua Portuguesa – II Reunião de Educação
Médica em Língua Portuguesa. Luanda, 19 de Agosto.
33. McAleer E, Parker R, Griffiths OR (2013). Medical schools should develop medical
educators, not just doctors. Med Teach; 35:698.
34. Mendes M, Barbosa J, Loureiro E, Ferreira MA (2014). How medical education can
contribute towards the reduction of maternal mortality in Angola: the teaching/learning
process of Gynecology and Obstetrics. African Health Sciences;14(1): 228-236 http://
dx.doi.org/10.4314/ahs.v14i1.36
35. Monekosso GL (2014). A brief history of Medical Education in Sub-Saharan Africa.
Acad. Med;89:S11-S15
36. Mullan F, Frehywot S, Omaswa F, Buch E, Chen C, Greysen SR, Wassermann T, Abubakr
DE, Awases M, Boelen C, Diomande MJMI, Dovlo D, Ferro J, Haileamlak A, Iputo J,
Jacobs M, Koumaré AK, Mipando M, Monekosso GL, Olapade-Olaopa EO, Rugarabamu
P, Sewankambo NK H, Ayas H, Chale SB,Cyprien S, Cohen J, Haile-Mariam T, Hamburger
E, Jolley L, Kolars JC, et al (2011). Medical schools in sub-Saharan Africa. Lancet;
377:1113–1121.
37. Mullan F, Frehywot S, Omaswa F, Sewankambo N, Talib Z, Chen C, Kiarie J, Kiguli-
-Malwadde E (2012). The Medical Education Partnership Initiative: PEPFAR's effort to
boost health worker education to strengthen health systems. Health Aff (Millwood );
31:1561-1572.
38. Nachega JB, Uthman OA, Ho Y-S, Lo M, Anude C, Kayembe P, et al (2012). Current
status and future prospects of epidemiology and public health training and research in the
WHO African region. Int J Epidemiol;41(6):1829–46.
39. Noormahomed E, Mocumbi AO, Preziosi M, Damasceno A, Bickler S, Smith DM,
Funzamo C,-Spencer EA, Badaró R, Mabila F, Bila D, Nguenha A, Rosário VD, Benson
CA, Schooley RT, Patel S, Ferrão LJ, Carrilho C (2013). Strengthening research capacity
through the medical education partnership initiative: theMozambique experience. Human
Resources for Health; 11:62.
40. Pinto MS, Cecchini MA, Malaquias IM, Moreira-Nordemann LM, Pita JR (2005). O
médico brasileiro José Pinto de Azeredo (1766?-1810) e o exame quimico da atmosfera do
Rio de Janeiro. Historia, Ciencias, Saude-Manguinhos, 12:617-673.
41. República de Moçambique, Ministério da Saúde, Direcção de Recursos Humanos
(2013). Perfil de Recursos Humanos para Saúde de Moçambique, 2013. Observatório de
Recursos Humanos para Saúde de Moçambique, Maputo.
42. Russo G, McPake B, Fronteira I, Ferrinho P (2014 a). Negotiating markets for health:
an exploration of physicians' engagement in dual practice in three African capital cities.
Health Policy Plan;29(6):774-83.
43. Russo G, de Sousa B, Sidat M, Ferrinho P, Dussault G (2014 b). Why do some physicians
in Portuguese-speaking African countries work exclusively for the private sector?
Findings from a mixed-methods study. Hum Resour Health;12 (1):51.
44. Sambo MR, Cano MJ, Aguilar I (2012). Autoavaliação da Faculdade de Medicina da
Universidade Katyavala Bwila: experiência piloto, procedimento operacional e resultados
preliminares. 2ª Conferência FORGES 2012 – Macau.
45. Sambo R, Ferreira AVL (2015). Current status on health sciences research productivity
pertaining to Angola up to 2014. Health Res Policy Syst. 2015; 13: 32.
46. Scheffer MC, Dal Poz M (2015). The privatization of medical education in Brazil: trends
and challenges. Human Resources for Health (2015) 13:96. DOI 10.1186/s12960-
015-0095-2
47. Shehnaz SI (2010). Privatisation of medical education: viewpoints with a global perspective.
SQU Med J;10:6–11.
48. Shehnaz SI (2011). Privatization of medical education in Asia. South-East Asian Journal
of Medical Education;5(1):18–25.
49. Sidat M, Conceição C, Amaral M, Ferrinho P, Dal Poz MR (2010 a). Gestão de Recursos
Humanos em Saúde: experiência e percepções de um grupo de gestores de nível provincial.
Revista Médica de Moçambique. Revista Médica de Moçambique, 10, suplemento
Outubro: 13-20.
50. Sidat M, Fernandes B, Mussa A, Ferrinho P (2010 b). Recursos humanos da saúde em
Moçambique: evidências actuais e desafios futuros. Revista Médica de Moçambique, 10,
suplemento Outubro: 1-2.
51. Simões C (2004). Evolução do "numerus clausus" na faculdade de medicina da universidade
Agostinho Neto. Revista Angolana de Educação Médica; 2:7-13.
52. Simões C, Sambo MR, Ferreira A, Fresta M (2016). Ensino superior em Angola: desafios
e oportunidades ao nível institucional. Revista FORGES 3(1):83-106.
53. Sobrinho SLN (1992). A evolução da Escola Médica no Brasil. Revista Baiana de Saúde
Pública; 19: 37-48.
54. Sousa F, Jr., Schwalbach J, Adam Y, Goncalves L, Ferrinho P (2007). The training and
expectations of medical students in Mozambique. Hum Resour Health 2007, 5:11.
55. Tyrrell A, Russo G, Dussault G, Ferrinho P (2010). Costing the scaling-up of human
resources for health: lessons from Mozambique and Guinea-Bissau. Hum Resour Health, 8.
56. Uthman OA, Uthman MB (2007). Geography of Africa biomedical publications: an
analysis of 1996–2005 PubMed papers. Int J Health Geogr;6:46.
57. Veras RP, Ribeiro LD, Lima JC (1983). Notas sobre educação médica no Brasil. Educ
Med Salud;17(4):398-413.
58. World Health Organization (2006). The World Health Report: working together for
health. http://www.who.int/whr/2006/en/ . 2006. World Health Organization.
Publicado
2018-08-27