Pequena história da RIDES-Tuberculose no âmbito do Plano Estratégico de Cooperação em Saúde 2009-2012 da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

  • Miguel Viveiros Unidade de Microbiologia Médica, Global Health and Tropical Medicine, GHTM, Instituto de Higiene e Medicina Tropical, IHMT, Universidade Nova de Lisboa, UNL, Rua da Junqueira, 100, 1349-008 Lisboa, Portugal
  • Maria João Simões Departamento de Doenças Infeciosas, Laboratório Nacional de Referência para a Tuberculose, Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, Avenida Padre Cruz, 1649-016 Lisboa, Portugal.
Palavras-chave: RIDES-TuberculoSE, CPLP, Objectivos de desenvolvimento do Milénio, Objectivos do Desenvolvimento Sustentável, Programas STOP-TB e END-TB

Resumo

A tuberculose continua a ser um dos maiores problemas de saúde pública em todo o Mundo. Em 2016 a OMS lança um apelo aos governos, às comunidades, à sociedade civil e ao sector privado para estarem “Unidos para Pôr Fim à Tuberculose”, promovendo o diálogo e a colaboração que una as pessoas e as comunidades de modo a implementar novas formas para acabar com a epidemia da tuberculose (TB) e, em particular, da tuberculose resistente aos fármacos que continua a aumentar em algumas regiões do globo. Apelo idêntico foi efetuado pelo Presidente Jorge Sampaio, no âmbito da VII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) (Lisboa, 25 de julho de 2008), intitulado "Apelo à Ação", no sentido dos países da CPLP envidarem todos os esforços para promoverem o debate pela sociedade civil para as questões da saúde dos países de língua portuguesa, em particular nas problemáticas relativas ao VIH/SIDA, malária e tuberculose. Este apelo motivou a criação da Rede de Investigação e Desenvolvimento de Saúde em Tuberculose - RIDES-TB entre os diferentes países da CPLP que encontraram acolhimento favorável no Plano Estratégico de Cooperação em Saúde 2009-2012 (PECS/CPLP). Neste trabalho descreve-se a génese, os primeiros passos avulsos e a consolidação multilateral da RIDES-TB desde 2008 a 2015, demonstrando como inúmeros esforços dos programas nacionais de controlo, dos laboratórios de referência, da academia e dos institutos de investigação dos diversos países lusófonos, permitiram responder a este apelo com enorme sucesso. Estes esforços conjuntos aceleraram os progressos para a consecução geral dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e têm hoje um claro enquadramento no futuro da estratégia para a saúde na CPLP, da Agenda 2030 e do programa END TB aplicado ao espaço lusófono.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Organização Mundial de Saúde (2015) Global tuberculosis report 2015. World
Health Organization (ed.), Genebra e Copenhaga;
Disponível em: http://www.who.int/tb/publications/global_report/en/
2. Organização Mundial de Saúde (2008) - Anti-tuberculosis drug resistance in the
world. Fourth global report - 2002-2007. World Health Organization (ed.), Genebra,
Suiça. Disponível em: http://www.who.int/tb/publications/2008/drs_report4_26feb08.
pdf.
3. Raviglione, MC (2007). The new Stop TB Strategy and the Global Plan to Stop TB,
2006-2015. Bull World Health Organ, v.85, n.5, p.327-7.
4. Onozaki I., Raviglione MC. (2010) Stopping tuberculosis in the 21st century:
goals and strategies. Respirology. 15(1):32-43.
5. Glaziou P., Sismanidis C., Floyd K., Raviglione MC. (2014) Global epidemiology
of tuberculosis. Cold Spring Harb Perspect Med. 5(2):a017798.
6. Raviglione MC, Uplekar MW. (2006) WHO’s new Stop TB Strategy. Lancet; 367:
952–5.
7. Martins N, Heldal E, Sarmento J, Araujo RM, Rolandsen EB, Kelly PM (2006)
Tuberculosis control in conflict-affected East Timor, 1996-2004. Int J Tuberc Lung Dis;
10: 975-81.
8. Machado D, Ramos J, Couto I, Cadir N, Narciso I, Coelho E, Viegas S, Viveiros M.
(2014) Assessment of the BD MGIT TBc identification test for the detection of Mycobacterium
tuberculosis complex in a network of mycobacteriology laboratories. Biomed
Res Int. ;2014:398108.
9. Rabna P, Ramos J, Ponce G, Sanca L, Mané M, Armada A, Machado D, Vieira F,
Gomes VF, Martins E, Colombatti R, Riccardi F, Perdigão J, Sotero J, Portugal I, Couto
I, Atouguia J, Rodrigues A, Viveiros M. (2015) Direct Detection by the Xpert MTB/RIF
Assay and Characterization of Multi and Poly Drug-Resistant Tuberculosis in Guinea-
-Bissau, West Africa. PLoS One. 27;10(5):e0127536.
10. Viveiros M., Couto I., Rossetti ML and da Silva PA (2014) Otimização, validação
e controlo de qualidade de testes moleculares de diagnóstico. In: Abordagens Moleculares.
Mónica V. Cunha e João Inácio editores, Lidel, Edições Técnicas, Lisboa, Portugal.
(ISBN - 978-989-752-034-1).
11. The End TB Strategy: a global rally (2014). Lancet Respir Med. 2(12):943.
12. Lönnroth K, Raviglione M. (2016) The WHO’s new End TB Strategy in the
post-2015 era of the Sustainable Development Goals. Trans R Soc Trop Med Hyg.
Mar;110(3):148-50.
Publicado
2018-08-27