Rede de atenção ao portador de doença crónica não transmissível: estudos realizados pelo Laboratório de Avaliação, Monitoramento e Vigilância em Saúde (LAM SAÚDE) da Fiocruz/PE. Brasil

  • Eduarda Cesse Doutora em Ciências. Pesquisadora do Departamento de Saúde Coletiva. CPqAM. Fiocruz. Pernambuco. Brasil.
  • Eduardo Freese Doutor em Ciências Sócio-Sanitárias. Pesquisador do Departamento de Saúde Coletiva. CPqAM. Fiocruz. Pernambuco. Brasil
  • Annick Fontbonne Doutora em Saúde Pública. Pesquisadora do Institut de Recherche pour le Développement - IRD. Montpellier. França
  • Rebecca Soares Mestre em Ciências. Assistente de Pesquisa do laboratório de Avaliação Monitoramento e Vigilância em Saúde. Departamento de Saúde Coletiva. CPqAM. Fiocruz. Pernambuco. Brasil.
Palavras-chave: Diabetes Mellitus, hipertensão, Estratégia Saúde da Família, estudos epidemiológicos, avaliação em Saúde

Resumo

No Brasil, e em diversos países do mundo, o incremento da incidência, prevalência e mortalidade proporcional por doenças crónicas não transmissíveis levam à necessidade de reforço das ações de controlo e monitoramento dessas patologias. A hipertensão arterial e a diabetes mellitus destacam-se entre as doenças crónicas não transmissíveis como importantes fatores de risco para outros agravos, podendo acarretar em maiores custos sociais e económicos. É no âmbito da Atenção Primária à Saúde que o Ministério de Saúde brasileiro está promovendo a reorganização da atenção à hipertensão arterial e à diabetes mellitus. No país, a atenção primária encontra-se na base dos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde e desenvolve-se através da Estratégia Saúde da Família. Nesse panorama, o Grupo de Pesquisas do Laboratório de Avaliação, Monitoramento e Vigilância em Saúde - LamSaúde desenvolve pesquisas epidemiológicas e de avaliação das políticas, programas e serviços de saúde, com ênfase na atenção às doenças crónicas não transmissíveis, particularmente hipertensão e diabetes. O objetivo deste artigo é apresentar os principais estudos realizados pelo grupo de pesquisa acerca da rede de atenção ao portador de doença crónica não transmissível em Pernambuco, estado da região Nordeste do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Freese E; Fontbonne A. Transição epidemiológica comparada: modernidade,
precariedade e vulnerabilidade. In: Epidemiologia, políticas e determinantes das
doenças crónicas não transmissíveis no Brasil/ organização: Eduardo Freese. – Recife:
Ed. Universitária da UFPE, 2006. p. 17-46.
2. Monteiro CA, Conde WL. A tendência secular da obesidade segundo estratos
sociais: Nordeste e Sudeste do Brasil, 1975-1989-1997. Arq Bras EndocrinolMetab
1999; 43(3): 186-94.
3. Monteiro CA; Mondini L; Costa, RL. Mudanças na composição e adequação
nutricional da dieta familiar nas áreas metropolitanas do Brasil (1988-1996). Revista
de Saúde Pública, v. 34, n. 3, p.251-258, 2000
4. Organização Mundial da Saúde. Cuidados inovadores para condições crónicas:
componentes estruturais de ação: relatório mundial. Brasília, ed. Organização
Mundial da Saúde,2003.
5. Cesse EAP, Freese E. Características e determinantes do padrão brasileiro
de ocorrência das DCNT no século XX. In: Freese, E. Epidemiologia, políticas
e determinantes das doenças crónicas não transmissíveis no Brasil. Recife: Ed.
Universitária da UFPE, 2006. cap. 2, p. 47- 72
6. Cesse EAP et al. Tendência da Mortalidade por Doenças do Aparelho
Circulatório no Brasil: 1950 a 2000.Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2008
7. Moura AA; Carvalho EF; Silva NJC. Repercussão das doenças crónicas nãotransmissíveis
na concessão de benefícios pela previdência social. Ciência & Saúde
Coletiva, v. 12, n. 6, P. 1661-1672, 2007.
8. Azambuja MI et al. Impacto Económico dos Casos de Doença Cardiovascular
Grave no Brasil: uma Estimativa Baseada em Dados Secundários Arquivos Brasileiros
de Cardiologia, vol. 91, n. 3, p.163-171, 2008
9. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n.º 16/GM, de 03 de janeiro de 2002.
Referente a  instituição do Plano de Reorganização da atenção a  hipertensão arterial
e aa diabetes. 2002.
10. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento
de Ações Programáticas Estratégicas. Plano de reorganização da atenção a 
hipertensão arterial e aa diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.
11. Pereira PMH. Avaliação da atenção básica aa diabetes mellitus na estratégia
Saúde da Família. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Centro de Pesquisas
Aggeu Magalhães, Recife, 2007.
12. Costa JMBS. Avaliação da atenção à hipertensão arterial pelas equipas de saúde
da família do município do Recife-PE, 2006. Dissertação (Mestrado em Saúde
Pública) – Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Recife, 2007.
13. Galindo AJA. Avaliação do controlo clínico de hipertensos e diabéticos cadastrados
no Programa de Acompanhamento da Atenção Básica (HIPERDIA) no
município de Arcoverde – Pernambuco. Dissertação (Mestrado Profissional em
Saúde Pública) – Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz,
Recife, 2010.
14. Paiva DCP; BERSUSA, A. A. S.; ESCUDER, M. M. Avaliação da assistência
ao paciente diabético e/ou hipertenso pelo Programa Saúde da Família do Município
de Francisco Morato, São Paulo, Brasil. Caderno de Saúde Pública, v. 22, n.
2, p. 377-385, 2006
15. Wagner EH. Chronic disease management: what will take to improve care
for chronic illness? Eff Clin Pract, v.1, n.1, p. 2-4, 1998
16. Fontbonne A et al. Risk factor control in hypertensive and diabetic subjects
followed by the Family Health Strategy in the state of Pernambuco, Brazil - SERVIDIAH
Study. Cadernos de Saúde Publica, vol. 29, pp. 1195-1204, 2013.
17. Barreto MNSC; Cesse EAP; Lima RF; Marinho MGS; Specht YS; Carvalho
EMF; Fontbonne A. Análise do acesso ao tratamento medicamentoso para hipertensão
e diabetes na Estratégia de Saúde da Família no Estado de Pernambuco, Brasil.
Rev. bras. epidemiol. vol.18 no.2 São Paulo Apr./June 2015
18. Affret A; Griz LHM; Cesse EAP; Specht YS; Carvalho EMF; Fontbonne A.
Assessment of a glycated hemoglobin point-of-care analyzer (A1CNow+) in comparison
with an immunoturbidimetric method: a diagnostic accuracy study. São
Paulo Medical Journal (Impresso), v. 1, p. 04/2015-0, 2015.
19. Denis J; Champagne F. Análise de implantação. In: Hartz ZMA. Avaliação em
saúde: dos modelos conceituais à prática na análise de implantação de programas.
Rio de Janeiro, Ed. Fiocruz, 1997. cap. 3, p. 49-88.
20. Hartz ZMA; Silva LMV. (Org.). Avaliação em Saúde. Dos Modelos Teóricos
à Prática na Avaliação de Programas e Sistemas de Saúde. Salvador: EDUFBA; Rio
de Janeiro: Fiocruz, 2005.
21. Santos RSAF; Bezerra LCA; Carvalho EMF; Fontbonne A.; Cesse EAP. Rede
de Atenção à Saúde ao portador de Diabetes Mellitus: uma análise da implantação
no SUS em Recife (PE). Saúde em Debate. V. 39, p. 268-282. 2015.
Publicado
2018-08-28
Secção
Gestão, meta-avaliação e redes de conhecimento