Big Data, informação aberta para transferência de tecnologia

  • Ana Ponte M.Sc. Economia e Gestão de Ciência, Tecnologia e Inovação (ISEG/UTL); Unidade de Parcerias e Cooperação – Agência Nacional de Inovação (ANI) – Lisboa, Portugal.

Resumo

A gestão da informação está atualmente sujeita a restrições legais, sobretudo a informação que diz respeito ao conhecimento gerado e potenciador de vantagem económica, como a registada em patentes. Tais restrições legais integram-se num conceito de ciclo da inovação clássico, no qual assentam os parâmetros atuais de financiamento científico e de exploração comercial dos resultados de desenvolvimento tecnológico e de inovação. A inovação aberta, como novo modelo de gestão da inovação, tem desafios inerentes – de ordem legal, cultural e organizacional - ao modelo clássico do ciclo de inovação. A sessão descrita neste artigo expõe casos concretos de implementação da inovação aberta sobre a utilização de grandes quantidades de dados associados a patentes. Ilustra-se, pois, com base nas verificações desta sessão, os benefícios que a inovação aberta com base em dados de patentes podem trazer ao desenvolvimento sustentável, passíveis de representarem mais-valias sociais e económicas avultadas, e que deverão justificar uma abordagem proativa na resolução dos desafios em causa, nomeadamente a nível da definição de estratégias de inovação aberta. Da mesma forma, as ferramentas de tratamento de big data já em desenvolvimento, e aqui também ilustradas, oferecem garantias à validação desta forma de inovação na resolução de problemas sociais concretos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Baaziz, A. (2016), Transferência de tecnologia com informação aberta: Optimização de
desempenho uma broca pela combinação de tecnologia de engenharia reversa e informação
de patentes. In: Big data, desenvolvimento sustentável e a ciência aberta. Instituto
Francês, Instituto de Higiene e Medicina Tropical; Lisboa, Portugal (Junho 2016)
2. Barthez, M. D. (2016), Caso de inovação frugal com informação aberta. In: Big data,
desenvolvimento sustentável e a ciência aberta. Instituto Francês, Instituto de Higiene
e Medicina Tropical; Lisboa, Portugal (Junho 2016)
3. Matos, S. (2016), Mineração de patentes para descoberta de conhecimento sobre fármacos.
Mineração de patentes para descoberta de conhecimento sobre fármacos
4. Reymond, D. (2016), Visualisations du big data. In: Big data, desenvolvimento
sustentável e a ciência aberta. Instituto Francês, Instituto de Higiene e Medicina
Tropical; Lisboa, Portugal (Junho 2016)
5. Moreira, B.; Saad, D.; Feldhaus, D.; Pereira, G.; Mattioli, M. (2008), As oportunidades
e os desafios do Open Innovation no Brasil. Instituto de Inovação – Centro de
conhecimento; Brasil, 2008.
6. NESTA (2016). Better for less: Does Europe need frugal innovation? - http://
www.nesta.org.uk/blog/better-less-does-europe-need-frugal-innovation?utm_
source=Nesta+Weekly+Newsletter&utm_campaign=211cda1acf-Nesta_
newsletter_17_9_168_12_2016&utm_medium=email&utm_term=0_
d17364114d-211cda1acf-181240777#sthash.j3NQiF1X.dpuf
Publicado
2018-08-29