Expectativas profissionais dos estudantes de enfermagem de nível médio e superior – evidência de dois países da África Subsariana

  • Inês Fronteira UEI Saúde Pública Internacional e Bioestatística, Global Health and Tropical Medicine, Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Universidade Nova de Lisboa
  • Aida Seca Ministério da Saúde da Guiné-Bissau
  • Anastácio Menezes Direção do Plano, Administração e Finanças, Ministério da Saúde
  • Luís Velez Lapão UEI Saúde Pública Internacional e Bioestatística, Global Health and Tropical Medicine, Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Universidade Nova de Lisboa
  • Paulo Ferrinho UEI Saúde Pública Internacional e Bioestatística, Global Health and Tropical Medicine, Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Universidade Nova de Lisboa
Palavras-chave: Formação, enfermeiros, nível médio, nível superior, Africa sub-Sahariana

Resumo

Introdução
Na última década, em alguns dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, foi criado o grau de licenciado em enfermagem (4 anos de formação de nível superior) que passou a co-existir com a formação de nível médio (3 anos). Não existe evidência sobre as expectativas profissionais dos alunos de nível superior e se estas diferem das dos de nível médio. Contudo, quando as expectativas profissionais não são atingidas, os profissionais podem ficar insatisfeitos e desmotivados o que, em última análise, condiciona a qualidade dos cuidados prestados.

Objetivos
Identificar e comparar as expectativas profissionais futuras dos alunos de enfermagem de nível médio e de nível superior.

Material e métodos
Estudo observacional, transversal, multicêntrico, realizado em duas escolas de Enfermagem da Guiné Bissau e uma de São Tomé e Príncipe, no ano letivo de 2010/2011. A população do estudo incluiu todos os alunos do último ano das escolas selecionadas. Foi aplicado um questionário de perguntas de resposta fechada utilizado anteriormente em estudos semelhantes. De modo a identificar grupos de alunos que partilhavam caraterísticas sociodemográficas e expectativas profissionais comuns, foi usada a análise de correspondência múltipla da Escola de Leiden do software SPSS v.20.

Resultados
Os alunos de enfermagem de nível médio não diferiam dos de nível universitário em termos de caraterísticas sociodemográficas, independentemente do país de origem. Os estudantes de enfermagem de nível universitário esperavam trabalhar no setor privado e no público (duplo emprego), na administração central do sistema de saúde e ter um salário de mais de 200 euros por mês. Os alunos de nível médio de São Tomé e Príncipe e da Guiné Bissau esperavam trabalhar no setor público, num hospital e ganhar menos de 200 euros mensais.

Discussão
O aumento do número de anos de formação dos enfermeiros não pode ser dissociado das expectativas profissionais dos recém-formados e da capacidade dos sistemas de saúde para dar resposta a estas expectativas. Se o aumento do número de anos de formação de enfermeiros for dissociado de uma política de recursos humanos da saúde mais abrangente, pode dar lugar à insatisfação e desmotivação dos enfermeiros cujo desempenho pode ser inferior, podendo mesmo abandonar a profissão ou emigrar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. WHO. WHO consultation on the transformative scale-up of medical, nursing
and midwifery education: first technical reference group meeting: medical education
experts report. http://www who int/hrh/resources/medical_experts_first_meeting
pdf 2010 [cited 2013 Oct 16];
2. WHO. Resolution WHA64.7 - Strengthening nursing and midwifery. http://
www who int/hrh/nursing_midwifery/en/ 2011
3. Dela Cruz FA, Farr S, Klakovich MD, Esslinger P. Facilitating the career transition
of second-career students into professional nursing. Nurs Educ Perspect 2013
Jan;34(1):12-7.
4. Milisen K, De BT, Kayaert A, Abraham I, de Casterle BD. The evolving professional
nursing self-image of students in baccalaureate programs: a cross-sectional survey.
Int J Nurs Stud 2010 Jun;47(6):688-98.
5. Ferrinho P, Sidat M, Fresta MJ, Rodrigues A, Fronteira I, da SF, et al. The training
and professional expectations of medical students in Angola, Guinea-Bissau and Mozambique.
Hum Resour Health 2011;9:9.
6. Ferrinho P, Fronteira I, Sidat M, da SF, Jr., Dussault G. Profile and professional
expectations of medical students in Mozambique: a longitudinal study. Hum Resour
Health 2010;8:21.
7. Fronteira I, Rodrigues A, Pereira C, Silva AP, Mercer H, Dussault G, et al. [Realities
and professional expectations of medical students attending Guinea Bissau’s medical
school in 2007 school year]. Acta Med Port 2011 Mar;24(2):265-70.
8. Pieriantoni C. Alunos de graduação em enfermagem - perfil, expectativas e perspectivas
profissionais futuras. Brasil: DPAS/IMS; 2008.
9. Simões A. Motivaçoes e expectativas profissionais dos estudantes de enfermagem
- estudo numa escola da área de Lisboa Diisertation presented to the Master Program
in Communication in Health at Universidade Aberta, Lisbon; 2008.
10. Ferrinho P, Van LW, Fronteira I, Hipolito F, Biscaia A. Dual practice in the health
setor: review of the evidence. Hum Resour Health 2004 Oct 27;2(1):14.
11. Lehmann U, Dieleman M, Martineau T. Staffing remote rural areas in middleand
low-income countries: a literature review of attraction and retention. BMC Health
Serv Res 2008;8:19.
12. Mbemba G, Gagnon MP, Pare G, Cote J. Interventions for supporting nurse
retention in rural and remote areas: an umbrella review. Hum Resour Health
2013;11:44.
13. Mashaba G, Mhlongo T. Student nurse wastage: a case study of the profile and
perceptions of students of an institution. J Adv Nurs 1995 Aug;22(2):364-73.
Publicado
2018-09-03
Secção
Artigos Originais