Avaliação de programas de formação médica e de enfermagem pós-graduada: estudo de caso em dois países africanos de língua oficial portuguesa, 2013

  • Ana Cristina Garcia Unidade de Saúde Pública Internacional e Bioestatística Centro Colaborador da OMS para Políticas e Planeamento da Força de Trabalho em Saúde Instituto de Higiene e Medicina Tropical Universidade Nova de Lisboa, Lisboa
  • Cláudia Leone Unidade de Saúde Pública Internacional e Bioestatística Centro Colaborador da OMS para Políticas e Planeamento da Força de Trabalho em Saúde Instituto de Higiene e Medicina Tropical Universidade Nova de Lisboa, Lisboa
  • Sónia Dias Unidade de Saúde Pública Internacional e Bioestatística Centro Colaborador da OMS para Políticas e Planeamento da Força de Trabalho em Saúde Instituto de Higiene e Medicina Tropical Universidade Nova de Lisboa, Lisboa
  • Zulmira Hartz Unidade de Saúde Pública Internacional e Bioestatística Centro Colaborador da OMS para Políticas e Planeamento da Força de Trabalho em Saúde Instituto de Higiene e Medicina Tropical Universidade Nova de Lisboa, Lisboa
Palavras-chave: Avaliação do impacto, formação pós-graduada de profissionais de saúde, estudo de caso, Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa

Resumo

Introdução
As expectativas das entidades de apoio ao desenvolvimento quanto à demonstração de evidência relativa ao impacto dos seus programas de formação são cada vez maiores. Em 2013, a Fundação Calouste Gulbenkian solicitou a avaliação do Concurso para Estágios de Curta Duração em Portugal para Profissionais de Saúde dos PALOP e Timor Leste. Como resposta, foi implementado um projeto de investigação avaliativa, qualitativo e exploratório, que incluiu um estudo de caso.

Objetivos
O estudo de caso teve por objetivos conhecer o percurso dos estagiários desde a candidatura até ao regresso ao país de origem e conhecer o desempenho dos estagiários na instituição de origem após o estágio.

Métodos
A intervenção foi descrita por um modelo lógico que integra os pontos fortes do modelo de medição de programas de aprendizagem desenvolvido por Kirkpatrick e da análise de contribuição de Mayne. O estudo de caso incluiu sete estagiários agrupados em dois casos (estudo de caso múltiplo). Cada caso correspondeu a um dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Os resultados foram obtidos por triangulação dos dados recolhidos através de análise documental e de entrevistas semiestruturadas efetuadas nas instituições de acolhimento e de origem.

Resultados
Foram evidenciadas a coerência na alocação, a reação positiva dos formandos, a perceção de ocorrência de aprendizagem e de mudanças de comportamento nos estagiários, e a ocorrência de transmissão das boas práticas aprendidas nos países de origem. Nas instituições de origem, foi evidenciada a perceção positiva quanto ao impacto da formação.

Conclusões
Os resultados obtidos indicam que a intervenção tem potencial para influenciar de forma positiva as instituições de origem dos estagiários, sendo recomendados estudos adicionais para estabelecer conclusões definitivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. World Health Organization (WHO) (2006). World Health Report: working
together for health. WHO, Geneva, Switzerland.
2. Organização Mundial da Saúde (OMS) (2010). Análise dos Recursos Humanos
da Saúde (RHS) nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP). Human
Resources for Health Observer 2: 1-132.
3. Dal P, Mario R, Gupta N, Quain E, Soucat ALB, eds (2009). Manual para a
monitorização e avaliação de recursos humanos de saúde: com aplicação dedicada
aos países de rendimento baixo e médio. Organização Mundial de Saúde, Genebra,
Suiça.
4. Leadership Development National Excellence Collaborative (2001). Collaborative
leadership and health: a review of the literature. WA: Turning Point Initiative,
Seattle, United States of America.
5. Rotem A, Zinovieff MA, Goubarev A (2010). A framework for evaluating the
impact of the United Nations fellowship programmes [online]. Human Resources
for Health 8:7. Consultado em 3 de Junho de 2013. In: http://www.human-resources-
health.com/content/8/1/7
6. Trindade AL (2012). A sustentabilidade do investimento em capacitação de
recursos humanos de saúde: Um estudo de caso em S. Tomé e Príncipe [online].
Master Thesis. Universidade Nova de Lisboa, Portugal. Consultado em 3 de Junho
de 2013. In: http://www.ihmt.unl.pt/?lang=pt&page=biblioteca&m2=111~
7. Pluye P, Potvin L, Denis JL, Pelletier J (2004). Program sustainability: focus on
organizational routines. Health Promotion International 19(4): 489-500.
8. Musik DM. (2006). A conceptual model for program evaluation in graduate
medical education. Academic Medicine 81(8): 759-765.
9. Vassar M, Wheeler DL, Davidson M, Franklin, J (2010). Program evaluation
in medical education: an overview of the utilization-focused approach. J Educ Eval
Health Prof 7: 1.
10. Shimizu HE, Lima MG, Santana MN (2007). O modelo de competências na
formação dos trabalhadores de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem
60(2): 161-166.
11. Belfield C, Thomas H, Bullock A, Eynon R, et al (2001). Measuring effectiveness
for best evidence medical education: a discussion. Medical Teacher 23(2):
164-170.
12. Tian J, Atkinson N, Portnoy B, Gold RS (2007). A systematic review of evaluation
in formal continuing medical education. Journal of Continuing Education in
the Health Professions 27(1): 16-27.
13. Durning SJ, Hemmer P, Pangaro LN (2007). The structure of program evaluation:
an approach for evaluating a course, clerkship, or components of a residency
or fellowship training program. Teach Learn Med 19(3): 308-318.
14. Kirkpatrick DL (1998). Evaluating training programmes: the four levels. 2nd ed.
CA: Berrett-Koehler, San Francisco, United States of America.
15. Hamblin AC (1974). Evaluation and control of training. McGraw-Hill, New
York, United States of America.
16. Kaufman R, Keller JM (1994). Levels of evaluation: beyond Kirkpatrick.
Human Resource Development Quarterly 5(4): 371-380.
17. Phillips JJ (2003). Return on investment in training and performance improvement
programs. 2nd ed. Butterworth-Heinemann, Massachusetts, United
States of America.
18. Mayne J (2001). Addressing attribution through contribution analysis:
using performance measures sensibly. The Canadian Journal of Programme
Evaluation 16(1): 1-24.
19. Mayne J (2008). Contribution Analysis: an approach to exploring cause and
effect. ILAC Brief 16: 1-4.
20. Patton MQ (2012). A utilization-focused approach to contribution analysis.
Evaluation 18(3): 364–377.
21. Feliciano KV. Abordagem qualitativa na avaliação em saúde. In: Samico I,
Felisberto E, Figueiró AC, Frias PG (2010). Avaliação em saúde – bases conceituais
e operacionais. Medbook, Rio de Janeiro, Brasil.
22. Uchimura KY, Bosi MLM (2002). Qualidade e subjetividade na avaliação
de programas e serviços em saúde. Cadernos de Saúde Pública 18(6): 1561-
1569.
23. Yin RK (2009). Case study research: design and methods. 5th ed., CA: Sage,
Thousand Oaks, United States of America.
24. Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) (2011). Informação nº 2/11 - Concurso
anual: estágios de curta duração em Portugal para médicos e técnicos de
saúde provenientes dos Países Africanos de Língua Portuguesa e Timor Leste.
FCG, Lisboa, Portugal.
25. Fundação Calouste Gulbenkian (FCG). Termos de referência – Avaliação do
concurso anual para estágios de curta duração em Portugal para profissionais
de saúde provenientes dos Países Africanos de Língua Portuguesa e Timor Leste.
FCG, Lisboa, Portugal.
26. Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) (2011). Informação nº 37/11 - Concurso
anual: estágios de curta duração em Portugal para profissionais de saúde
provenientes dos Países Africanos de Língua Portuguesa e Timor Leste. FCG,
Lisboa, Portugal.
27. Medina MG, Silva GAP, Aquino R, Hartz ZMA. Uso de modelos teóricos na
avaliação em saúde: aspetos conceituais e operacionais. In: Hartz ZMA, Vieira
da Silva LM (2005). Avaliação em saúde: dos modelos teóricos à prática na
avaliação de programas e sistemas de saúde. Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil.
28. The Center for the Advancement of Community Based Public Health
(CBPH) (2000). Uma estrutura de avaliação para programas de saúde em comunidades.
CBPH, Carolina do Norte, Estados Unidados da América.
29. The Health Communication Unit. Centre for Health Promotion. University
of Toronto (2007). Evaluating health promotion programs. Version 3.6.
Centre for Health Promotion, Toronto, Canada.
30. World Health Organization (WHO) (2008). Planning human resources
development to achieve priority health programme goals. GFATM Round 8.
WHO, Geneva, Switzerland.
Publicado
2018-09-03
Secção
Artigos Originais