Plantas medicinais tropicais e mediterrânicas com propriedades biocidas no controlo de insetos vetores

  • Diara Kady Rocha Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Universidade Nova de Lisboa
  • Olívia Cruz de Matos Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, INIAV. Unidade de Parasitologia e Microbiologia Médicas, IHMT
  • Cristina Moiteiro Faculdade de Ciência da Universidade de Lisboa. Departamento de Química e Bioquímica, CQB
  • Marilene Data Cabral UniCV, Campus Palmarejo, Praia, Cabo Verde
  • Maria Teresa Novo Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Unidade de Parasitologia e Microbiologia Médicas, IHMT. Universidade Nova de Lisboa
Palavras-chave: Aedes aegypti, Anopheles arabiensis, controlo vetorial, plantas medicinais

Resumo

Há milénios que as civilizações têm recorrido às plantas e suas virtudes terapêuticas para prevenir e combater doenças. O progressivo aumento de resistências dos insetos vetores de parasitoses e arboviroses conduziu a restrições na aplicação de inseticidas químicos e/ou à introdução de novos compostos sintéticos. Devido à redução de compostos disponíveis, assiste-se a um aumento da procura de produtos de origem natural, eficazes e mais inócuos para o ambiente. A exigência do mercado e a pressão legislativa internacional tornam imperativa a pesquisa de novos produtos, promovendo o desenvolvimento de alternativas mais seguras. Os produtos naturais de origem vegetal ressurgem como fonte de compostos biologicamente ativos para controlo de vetores. Estando a sua síntese frequentemente associada a mecanismos de defesa das plantas contra inimigos naturais, os compostos delas derivados apresentam, potencialmente, maior especificidade para os organismos- -alvo, são geralmente biodegradáveis e comportam menos riscos ambientais. O presente estudo consistiu na avaliação das propriedades biocidas de plantas medicinais tropicais e mediterrânicas, (Sambucus nigra, Melia azedarach, Azadirachta indica, Foeniculum vulgare e Mentha pulegium), e da sua utilidade no controlo dos culicídeos vetores de agentes patogénicos da malária e arboviroses, nomeadamente, Anopheles arabiensis e Aedes aegypti, em Cabo Verde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. James, A.A., (1992). Mosquito Molecular Genetic. The hand that feed bite
back. Science, 257: 37-38.
2. Gubler, D.G., (1998). Ressurgent Vector Born Diseases as Global Health
Problem. Emerg. Infect. Dis., 4: 442-450.
3. WHO, (2012). World Malaria Report 2012. Acedido em 02 de maio de
2013
in: http://www.who.int/malaria/publications/world_malaria_report_2012/
report/en/index.html (acedido a).
4. TDR/WHO, (2002). Training in Tropical Disease. Malaria Fact Sheet, Geneva.
5. Roll Back Malaria (RBM/WHO), (2000). RBM Advocacy Guide. Geneve,
World Health Organization.
6. GHO- Global Health Observatory, (2008). Consultado em Maio de 2013.
In: http://www.whoint/gho/mdg/diseases/malaria /situation_mortality
7. Malaria Foundation International. About Malaria. Consultado em Junho
de 2013.
in: http://www.malaria.org/index.php?option=com_content&task=section
&id=8&Itemid=32.
8. Ministério da Saúde, (2009). Plano Estratégico de pré-eliminação do paludismo
2009 - 2013, Ministério da Saúde, Direção Geral de Saúde e Programa
Nacional de luta contra o Paludismo, Cabo Verde.
9. Alves, J., (1994). Analyse de situaçao do paludismo em Cabo Verde. Rapport du
PNLP.
10. Alves, J., B. Gomes, R. Rodrigues, J. Silva, A.P. Arez, J. Pinto, and C.A. Sousa,
(2010). Mosquito fauna on the Cape Verde Islands (West Africa): an update
on species distribution and a new finding. Journal of Vector Ecology, 35(2).
11. Cambournac, F.J., Petrarca V., Coluzzi M., (1982). Anopheles arabiensis in
the Cape Verde archipelago. Parassitologia, 24: 265-267.
12. Gubler, D.J. & Kuno, G., (1997). Dengue and Dengue Hemorrhagic Fever. Cab
International. USA. 478p.
13. Borges, S.M.A.A., (2001). Importância epidemiológica do Aedes albopictus
nas Américas. Dissertação de Mestrado. Acedido em Junho de 2010. In:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/86/Martados anjos2.
pdf
14. Franco, L., A. Di Caro, F. Carletti, O. Vapalahti, C. Renaudat, H. Zeller,
and A. Tenorio, (2010). Recent expansion of dengue virus serotype 3 in West
Africa. Eurosurveillance, 15(7).
15. Brogdon, W.G. & McAllister, J.C., (1998). Synopses “Insecticide resistance
and vector control”, Emerg. Inf. Diseases, 4: 605-611.
16. Bakkali, F. et al, (2008). Biological effects of essential oils - A review, Food
and Chemical Toxicology 46 (2), 446-475.
17. World Health Organization (WHO, 1981a). Instructions for determining the
susceptibility or resistance of mosquito larvae to insecticides. Geneva. 6 p.
18. World Health Organization (WHO, 1981b). Criteria and Meaning of Tests for
Determining the Susceptibility or Resistance of Insects to Insecticides. Geneva. 4 p.
19. WHO, (1998). Test procedures for insecticide resistance monitoring in malaria
vectors, bio-efficacy and persistance of insecticides on treated surfaces.
WHO, Geneva, Switzerland (28-30 September).
20. Chung I.M., Ro H.M., Moon H.I., (2011). Major essential oils composition
and immunotoxicity activity from leaves of Foeniculum vulgare against Aedes
aegypti L. Immunopharmacol Immunotoxicol, 33(3):450-3.
21. Sukumar, K., Perich M.J., Boobar, L.R., 1991. Botanical Derivatives in
Mosquito Control: A Review. J. Am. Mosq. Contr. Assoc., 7: 210-237.
Publicado
2018-09-08
Como Citar
1.
Kady Rocha D, Cruz de Matos O, Moiteiro C, Data Cabral M, Novo MT. Plantas medicinais tropicais e mediterrânicas com propriedades biocidas no controlo de insetos vetores. ihmt [Internet]. 8Set.2018 [citado 8Dez.2022];12:60-5. Available from: https://anaisihmt.com/index.php/ihmt/article/view/192