Da gestão estratégica do sistema de saúde português à avaliação do seu desempenho – um percurso em construção

  • Paulo Ferrinho Unidade de Saúde Pública Internacional e Bioestatística, Centro Colaborador da OMS para Políticas e Planeamento da Força de Trabalho em Saúde e, CMDT, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal
  • Jorge Simões Unidade de Saúde Pública Internacional e Bioestatística, Centro Colaborador da OMS para Políticas e Planeamento da Força de Trabalho em Saúde do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal. Universidade de Aveiro
  • José Pereira Miguel Instituto Nacional de Saúde Dr Ricardo Jorge, Ministério da Saúde, Lisboa Portugal. Instituto de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal
  • André Beja Unidade de Saúde Pública Internacional e Bioestatística, Centro Colaborador da OMS para Políticas e Planeamento da Força de Trabalho em Saúde do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal
  • Maria Cortes Unidade de Saúde Pública Internacional e Bioestatística, Centro Colaborador da OMS para Políticas e Planeamento da Força de Trabalho em Saúde do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal
  • Zulmira Hartz Unidade de Saúde Pública Internacional e Bioestatística, Centro Colaborador da OMS para Políticas e Planeamento da Força de Trabalho em Saúde do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal
Palavras-chave: Sistema de saúde português, avaliação do desempenho, Plano Nacional de Saúde

Resumo

Neste capítulo apreciamos o percurso do sistema de saúde português (SSP) nas últimas décadas na perspetiva da sua governação. Tentamos compreender como o seu carácter estratégico foi integrando mecanismos de observação em saúde que se aproximam progressivamente de formas cada vez mais formais de avaliação do desempenho do sistema. Apreciamos dois fenómenos que em Portugal têm recebido pouca atenção dos académicos e dos governantes: a gestão estratégica do SSP, por um lado, e a avaliação do seu desempenho, por outro. Depois descreveremos a evolução do SSP, e, em particular, do seu Serviço Nacional de Saúde (SNS). Apresentamos o progresso em pensamento e práxis estratégica no SNS e tentamos compreender como a observação em saúde, que atualmente se pratica, se pode articular com uma melhor gestão estratégica. A finalizar, e procurando uma ligação mais estreita entre esta reflexão e o ciclo de planeamento em curso, apresentamos um conjunto de aspetos que consideramos pertinentes para operacionalização de um modelo de avaliação do próximo plano nacional de saúde (PNS).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACS – Alto Comissariado da Saúde (2007). Fórum Nacional de Saúde: Implementação do
Plano Nacional de Saúde - Parte I - Implementação do PNS. [Internet] Lisboa, ACS. Disponível
em: forumnacionalsaude1.pdf> [Acedido em 27 de Abril de 2012].
ACS – Alto Comissariado da Saúde (2009). Conclusões do II Fórum Nacional de Saúde
– Para um Futuro com Saúde. [Internet] Lisboa, ACS. Disponível em min-saude.pt/2009/01/20/iifns/> [Acedido em 27 de Abril de 2012].
ACS - Alto Comissariado da Saúde (2010a). Plano Nacional de Saúde 2011-2016. [Internet]
Lisboa, ACS. Disponível em [Acedido
em 04 de Maio de 2012].
ACS - Alto Comissariado da Saúde (2010b). Atlas do Plano Nacional de Saúde 2004-2010.
Lisboa: Alto Comissariado da Saúde.
ACS - Alto Comissariado da Saúde (2010c). Repositório online de Actividades da Comissão
de Acompanhamento 2004-2010. [Internet] Disponível em: pt/plano-nacional-de-saude/comissao-de-acompanhamento> [Acedido em 27 de Abril de
2012].
ACS - Alto Comissariado da Saúde (2010d). Repositório online do III Fórum Nacional de
Saúde. [Internet] Disponível em: fns > [Acedido em 27 de Abril de 2012].
ACS – Alto Comissariado da Saúde (2010e) Relatório Síntese das Actividades do Grupo de
Projecto do Plano Nacional de Saúde: Julho de 2010 [Internet] Lisboa, ACS. Disponível em
[Acedido
em 5 de Maio de 2012]
ACS – Alto Comissariado da Saúde (2011) Anúncio da Discussão Pública do PNS 2011-
2016. Microsite PNS [Internet] 04/06/2011. Disponível em -saude.pt/pns2011-2016/2011/06/04/pns-disc/> [Acedido em 07 de Novembro de
2011]
Beja A, (2011). Problemas de saúde nos países desenvolvidos e planeamento estratégico:
evolução das políticas e estratégias de prevenção e combate à pré-obesidade e obesidade
infantil e dos jovens em Portugal [Dissertação]. Lisboa: Instituto de Higiene e Medicina Tropical
da Universidade Nova de Lisboa; Mestrado em Saúde e Desenvolvimento.
Bevan G, Hood C (2006). Have targets improved performance in the English NHS? British
Medical Journal; 332 (7538); 419-422.
Biscaia AR. (2010). Satisfação no Trabalho dos Médicos de Família dos Brousselle A, Champagne
F, Contandripoulos AP, Hartz Z (2011). Avaliação: conceitos e métodos. Rio de Janeiro:
Editora Fiocruz.
Centros de Saúde Portugueses. [Tese]. Lisboa: Instituto de Higiene e Medicina Tropical da
Universidade Nova de Lisboa; 489 p. Doutoramento em Saúde Internacional – Políticas de
saúde e desenvolvimento.
Biscaia A, Nunes Martins J, Carreira MF, Fronteira Gonçalves I, Antunes AR, Ferrinho P
(2008). Cuidados de Saúde Primários em Portugal - Reformar para Novos Sucessos (Gran-
de Prémio Fundação AstraZeneca 2005). 2a edição. Lisboa: Padrões Culturais Editora.
Cabral MV & Alcântara P (2009). O estado da saúde em Portugal. Lisboa: ISC.
Campos AC (2008). Reformas da Saúde: Um fio condutor. Coimbra: Almedina.
Campos AC e Simões J (2011). O Percurso da Saúde: Portugal na Europa. Lisboa: Almedina.
Carrolo M, Ferrinho P, Pereira Miguel J (rapporteurs) (2004). Consultation on Strategic
Health Planning in Portugal, WHO-Portugal Round Table, 28th and 29th of July
2003, Lisboa: Direcção-Geral da Saúde.
CDC - Centers for Disease Control and Prevention (2005). Introduction to program
evaluation for public health programs: A self-study guide. [Internet] Disponível em:
Champagne F, Contandriopoulos AP (2010). Elementos de arquitetura dos sistemas de
avaliação do desempenho dos serviços de saúde, p 297-324, in AP Contandriopoulos,
ZMA Hartz, M Gerbier, A Nguyen, Saúde e Cidadania, São Paulo, Editora Saberes.
Conceição C, Lima C., Ferrinho P (2007). Reforming the Portuguese Health Services
System: Key Human Resources for Health Issues. Cahiers de Sociologie et Démographie
médicales, vol.47 (3):241-257.
Contandriopoulos AP (2006). Avaliando a Institucionalização da Avaliação. Ciência &
Saúde Coletiva; 11(3): 705-712.
Contandriopoulos AP, Trottier L-H, Champagne F (2008).Improving performance: a
key issue for Quebec’s health and social services centres. Infoletter; 5(2): 2-6.
Cortês SMV (2005). Céticos e Esperançosos: Perspectivas da Literatura Sobre Participação
e Governança. Porto Alegre: PPG Sociologia –UFRGS.
Craveiro I, Ferrinho P (2001). Planear estrategicamente: a prática no SNS. Revista Portuguesa
de Saúde Pública; 19 (2): 27-37.
Datta L-e (1997ª). A pragmatic basis for mixed-method designs. New Directions for
Evaluation; 74: 33-46.
Datta L-e (1997b). Multimethod evaluations. Using casestudies together, p. 344-359.
In E Chelimski & WR Shadish (orgs.). Evaluation for the 21st Century. Thousand Oaks,
CA.
Denis JL, Champagne F (1997). Análise da Implantação. In Hartz, Z. M. A. (ed.). Avaliação
em Saúde: Dos Modelos Conceituais à Prática na Análise da Implantação de Programas.
Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz. 1997.
DGS – Direcção-Geral de Saúde (1999). Saúde um Compromisso. A Estratégia de Saúde
para o Virar do Século (1998-2002). Lisboa:Ministério da Saúde.
DGS – Direcção-Geral de Saúde (2002). Ganhos de saúde em Portugal: ponto de situação
(Relatório do Director Geral e Alto Comissário da Saúde). Lisboa: DGS.
DGS – Direcção-Geral de Saúde (2004a). Plano Nacional de Saúde 2004-2010: Mais
saúde para todos, Vol. I: Prioridades. Lisboa: DGS.
DGS – Direcção-Geral de Saúde (2004b). Plano Nacional de Saúde 2004-2010: Mais
saúde para todos, Vol. II: Orientações estratégicas. Lisboa: DGS.
Felisberto E, Freese E, Bezerra LC, Alves CK, Samico I (2010). Análise da sustentabilidade
de uma política de avaliação: o caso da atenção básica no Brasil. Cadernos de Saúde
Pública; 26(6): 1079-1095.
Ferreira, FAG (1990). História da Saúde e dos Serviços de Saúde em Portugal. Lisboa:
Fundação Calouste Gulbenkian.
Ferrinho P, Conceição C, Biscaia A, Fronteira I, Antunes A (2006). Sixty years of reform
in the Portuguese health system: what is the situation with regard to decentralisation?
Viewpoint. Revue Française des Affaires Sociales ; 60 (2-3) : 297-312.
Ferrinho P, Fronteira I, Miguel JP (2007). A importância estratégica e económica da
saúde e implicações para investimentos a médio e longo prazo in Investir em Saúde
– Contributo dos Fundos Estruturais Comunitários em Portugal no Sector da Saúde.
Lisboa: Programa Operacional Saúde XXI. 2007.
Filho CG, Trempe N ( coord.) (2008). Avaliação de desempenho do sistema de atenção
às urgências do estado de Goiás. Secretaria de Estado da Saúde de Goiás.
Fulop N, Elston J, Hensher M, Mckee M, Walters R (2000). Lessons for health strategies
in Europe. The evaluation of a national health strategy in England. European Journal of
Public Health; 10: 11-17.
GAO - Government Accountability Office (2011). Program Evaluation. Highlights.
GAO-11-176.
Governo de Portugal (2009): III - Saúde: um valor para todos in Programa do XVIII Governo.
[Internet] Lisboa: Governo de Portugal. Disponível em gov.pt/pt/o-governo/arquivo-historico/governos-constitucionais/gc18/programa-
-do-governo/programa-do-governo-constitucional-18.aspx> [Acedido em 29 de Abril
de 2012].
Hartz ZA, Ferrinho P (2011): Avaliação de desempenho dos sistemas de saúde: um contributo
para o Plano Nacional de Saúde 2011-2016. in A Nova Saúde Pública. A Saúde
Pública da Era do Conhecimento – Livro de homenagem a Constantino Sakellarides
Lisboa: Gradiva
Hartz ZA (1999). Avaliação dos programas de saúde: perspectivas teórico metodológicas
e políticas institucionais. Ciência & Saúde Coletiva; 4(2): 341-353.
Hartz ZA (2006). Princípios e Padrões em Meta-avaliação: directrizes para os programas
de saúde. Ciência e Saúde Colectiva; 11 (33): 733-738.
Justo C (2000). O estado das coisas de Estado: Políticas de Saúde em Portugal. Porto:
Campo das Letras.
Macedo PM de (2012). Um investimento estratégico nacional. Artigo de opinião do
Ministro da Saúde no Jornal Expresso de 6 de Abril de 2012. Lisboa.
Mayne J (2010). Building an evaluative culture: the key of effective evaluation and results
management. CJPE; 24(2): 1-30.
Minayo MCS, Assis SG, Souza ER .(org) (2005). Avaliação por triangulação de métodos.
Rio de Janeiro: Ed Fiocruz.
Mintzberg H, Ahlstrand B, Lampel J (1998). Strategy Safari: A Guided Tour through the
Wilds of Strategic Management. New York :The Free Press.
Mintzberg H. (1994). The Fall and Rise of Strategic Planning. Harvard Business Review.
[Internet] 01 de Janeiro de 1994, pp. 107-114. Disponível em: ca/uploads/document/fall-rise-of-strategic-planning_72538.pdf> [Acedido em 27 de
Abril de 2012].
Mintzberg H, Ahlstrand B, Lampel JB (2009). Strategy Safari: your complete guide
through the wilds of strategic management. NY: Prentice Hall.
Newcomer KE (1997). Using performance measurement to improve public and nonprofit
programs. New Directions for Evaluation; 75: 1-14.
Oliveira DDPR de( 2010 ). Planejamento Estratégico. Conceito, Metodologia, Práticas.
São Paulo: Editora Atlas.
OPSS - Observatório Português dos Sistemas de Saúde (2010): Desafios em tempos de
crise - Relatório de Primavera 2010 [Internet] Lisboa, OPSS. Disponível em: www.observaport.org/rp2010> [Acedido em 10 de Maio de 2012]
Pereira LF (2005). A Reforma Estrutural da Saúde 2002-2005 e a visão estratégica para
o futuro. Lisboa.
Peteleiro M, Marques R, Galhardo T (2004). Uma análise crítica das orientações estratégicas
/ O Plano Nacional de Saúde Português. [Internet] Lisboa: OPSS. Disponível
em: -Saude.pdf> [Acedido em 12 de Abril de 2012].
Riggin LJC (1997). Advances in mixed-method evaluation: a synthesis and comment.
New Direction for Evaluation; 74 Summer: 87-94.
Sena C, Ferrinho P, Miguel JP (2006). Planos e programas de saúde em Portugal: questões
metodológicas e macroanálise dos programas nacionais. Revista Portuguesa de Saúde
Pública; 24 (1): 5-19
Serrão D, Abrantes A, Veloso AB, Oliveira G, Moreira JM, Delgado M, Sousa MD. Reflexão
sobre a saúde: recomendações para uma reforma estrutural. Lisboa: Ministério
da Saúde.
Sicotte et al., 1998. cit in Avaliação de desempenho do sistema de atenção às urgências
do estado de Goiás. Filho CG, Trempe N ( coord.) (2008). Secretaria de Estado da Saúde
de Goiás.
Simões J. (2009). Retrato Político da Saúde - dependência do percurso e inovação em
Saúde: da ideologia ao desempenho. Coimbra: Edições Almedina.
Simões J et al 2007. Relatório final da Comissão para a Sustentabilidade do Financiamento
do Serviço Nacional de Saúde. Lisboa: Ministério da Saúde.
Simões J, Dias A (2010). Políticas e Governação em Saúde. Simões J (coord) In 30 Anos
do Serviço Nacional de Saúde - Um Percurso Comentado. Coimbra: Almedina 2010.
Simões J, Ferrinho P (2010). Porquê planear estratégias para a saúde? Boletim Pensar
Saúde; 1; 1. Acedido em http://www.acs.min-saude.pt/pns2012-2016/files/
2010/02/2010-03-05_PensarSaude_nr1-2.pdf a 14.05.2012.
Simões J, Ferrinho P, Naumann R (coord), Fronteira I (2011). Reformar os Sistemas de
Saúde no contexto de reestruturação do Estado providência. Lisboa: Fundação Friedrich
Ebert.
Veillard J, Huynh T, Ardal S, Kadandal S, Klazinga NS, Brown AD 2010. Making health
system performance measurement useful to policy makers: aligning strategies, measurement
and local health system accountability in Ontario. Health Care Policy; 5(3);
49-65.
WHO - World Health Organization (2006). Portugal – WHO round table consultation
on the Implementation of the National Health Plan. [Internet] Copenhagen: WHO
Regional Office for Europe. Disponível em: e90146.pdf>.
WHO - World Health Organization (2010a). Evaluation of the National Health Plan of
Portugal (2004–2010). Copenhagen: WHO.
WHO - World Health Organization (2010b). Portugal Health System Performance Assessment.
Copenhagen: WHO.
Publicado
2018-09-08
Como Citar
1.
Ferrinho P, Simões J, Pereira Miguel J, Beja A, Cortes M, Hartz Z. Da gestão estratégica do sistema de saúde português à avaliação do seu desempenho – um percurso em construção. ihmt [Internet]. 8Set.2018 [citado 8Dez.2022];12:76-7. Available from: https://anaisihmt.com/index.php/ihmt/article/view/195