INFORMAÇÃO EM MEDICINA DAS VIAGENS: TER OU NÃO TER, EIS A QUESTÃO

  • Jorge Seixas Unidade de Ensino e Investigação de Clínicas das Doenças Tropicais. Instituto de Higiene e Medicina Tropical – Universidade Nova de Lisboa
  • Rosa Teodósio Unidade de Ensino e Investigação de Clínicas das Doenças Tropicais. Instituto de Higiene e Medicina Tropical – Universidade Nova de Lisboa
  • Jorge Atouguia Unidade de Ensino e Investigação de Clínicas das Doenças Tropicais. Instituto de Higiene e Medicina Tropical – Universidade Nova de Lisboa

Resumo

.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BROWNSTEIN, J. S., FREIFELD, C. C., REIS, B. Y. & MANDL, K.
D. (2008) – “ Surveillance Sans Front ières: Internet -Based Emerging
Infect ious Disease Int elligence and t he Healt hMap P roject ”. PLoS
Medicine, 5: e151.
HILL, D. R., ERICSSON, C. D., PEARSON, R. D., KEYSTONE, J.
S., FREEDMAN, D. O., KOZARSKY, P. E., DUPONT, H. L., BIA,
F. J., FISCHER, P. R. & RYAN, E.T. (2006) – “ T he Practice of Travel
Medicine: Guidelines by t he Infect ious Diseases Societ y of America”.
Clin. Infect. Dis., 43: 1499–539.
KEYSTONE, J. S., KOZARSKY, P. E. & FREEDMAN, D. O. (2001)
– “ Int ernet and Comput er-Based Resources for Travel Medicine
P ract it ioners”. Clin. Infect. Dis., 32: 757–765.
SCHLAGENHAUF, P., SANTOS-O’CONNOR, F. & PAROLA, P .
(2010) – “ T he pract ice of t ravel medicine in Europe”. Clin. Microbiol.
Infect., 16: 203–208.
Publicado
2018-09-10
Secção
Artigos Originais