Avaliação da saúde da criança em serviços de atenção primária e sua integração em rede no interior do estado de São Paulo/Brasil

  • Caroline Couto Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Departamento de Saúde Pública. Faculdade de Medicina de Botucatu. Universidade Estadual Paulista (Unesp). Botucatu. Brasil
  • Patrícia Sanine Doutora em Saúde Coletiva. Departamento de Saúde Pública. Faculdade de Medicina de Botucatu. Universidade Estadual Paulista (Unesp). Botucatu. Brasil
  • Adriano Dias Professor Doutor do Departamento de Saúde Pública. Faculdade de Medicina de Botucatu. Universidade Estadual Paulista (Unesp). Botucatu. Brasil
  • Carolina Mendonça Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Departamento de Saúde Pública. Faculdade de Medicina de Botucatu. Universidade Estadual Paulista (Unesp). Botucatu. Brasil
  • Dinair Machado Doutora em Saúde Coletiva. Departamento de Saúde Pública. Faculdade de Medicina de Botucatu. Universidade Estadual Paulista (Unesp). Botucatu. Brasil
  • Josiane Carrapato Doutora em Saúde Coletiva. Departamento de Saúde Pública. Faculdade de Medicina de Botucatu. Universidade Estadual Paulista (Unesp). Botucatu. Brasil
  • Luceime Nunes Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Departamento de Saúde Pública. Faculdade de Medicina de Botucatu. Universidade Estadual Paulista (Unesp). Botucatu. Brasil
  • Nádia Placideli Doutora em Saúde Coletiva. Departamento de Saúde Pública. Faculdade de Medicina de Botucatu. Universidade Estadual Paulista (Unesp). Botucatu. Brasil
  • Thais Zarilli Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Departamento de Saúde Pública. Faculdade de Medicina de Botucatu. Universidade Estadual Paulista (Unesp). Botucatu. Brasil
  • Elen Castanheira Professora associada do Departamento de Saúde Pública. Faculdade de Medicina de Botucatu. Universidade Estadual Paulista (Unesp). Botucatu. Brasil

Resumo

Esse estudo tem como objetivo avaliar a organização da oferta de ações de atenção à criança em serviços de atenção primária à saúde do estado de São Paulo/Brasil e analisar a integração com a rede de atenção. Estudo transversal, descritivo, realizado entre outubro e dezembro de 2014, com uso do instrumento QualiAB. Foram avaliados 151 serviços de 40 municípios, usando indicadores selecionados segundo a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança. As maiores frequências referem-se a ações tradicionais, como orientação e estímulo ao aleitamento materno (108%). São menos frequentes ações como: duas testagens para sífilis (65,6%) e HIV (64,8%) durante a gestação; seguimento de infeções respiratórias na infância (56,3%) e identificação e acompanhamento de situações de violência na infância e adolescência (37,7%). Não há trabalho conjunto a partir do encaminhamento para serviços de referência. Há acesso para serviços de apoio a situações de risco e vulnerabilidade social (CRAS – 93,4%). Concluiu-se que os serviços avaliados não realizam uma atenção integral à saúde da criança e possuem limitações na integração com a rede de apoio existente. Destaca-se a necessidade de investir na qualificação do processo de trabalho e de construir espaços de diálogo e pactuação para um trabalho em rede.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

Ellner AL, Phillips RS. The Coming Primary Care Revolution. J Gen Intern Med 2017 Apr;32(4):380-86.

Organização Mundial da Saúde (OMS). The world health report 2008: primary health care now more than ever. Geneva: OMS, 2008.

Starfield B, Shi L, Macinko J. Contribution of primary care to health systems and health. Milbank Q. 2005;83(3):457–502.

Lavras C. Atenção primária à saúde e a organização de redes regionais de atenção à saúde no Brasil. Saúde soc 2011 dez;20(4):867-74.

Mendes EV. A Construção Social da Atenção Primária à Saúde. Brasília: CONASS; 2015.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Ciênc. Saúde Colet 2010;15(5):2297-305.

Novaczyk AB, Gaiva MAM. As tecnologias inter-relacionais na assistência à criança na atenção básica: análise de documentos oficiais. Cienc Cuid Saude 2010 jul/set; 9(3):560-68.

Victora CG, Aquino EML, Leal MC, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. Lancet 2011;377:1863–76.

Brasil. Ministério da saúde. Política nacional de atenção integral à saúde da criança (PNAISC). Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento Brasília : Ministério da Saúde, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Sanine PR, Zarili TFT, Nunes LO, Dias A, Castanheira ERL. Do preconizado à prática: oito anos de desafios para a saúde da criança em serviços de atenção primária no interior de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública 2018;34(6):e00094417

Paim JS. Sistema Único de Saúde (SUS) aos 30 anos. Ciência & Saúde Coletiva 2018;23(6):1723-28.

Vaz EMC, Collet N, Cursino EG, Forte FDS, Magalhães RKBP, Reichert APS. Coordenação do cuidado na Atenção à Saúde à(ao) criança/adolescente em condição crônica. Rev Bras Enferm 2018;71(Suppl 6):2612-19.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n. 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Placideli N, Castanheira ERL. Atenção à saúde da pessoa idosa e ao envelhecimento em uma rede de serviços de Atenção Primária. Rev Kairós Geront 2017;20(2):247-69.

Nunes LO et al. Importância do gerenciamento local para uma atenção primária à saúde nos moldes de Alma-Ata. Rev Panam Salud Publica. 2018;42:e175.

Castanheira ERL et al. Caderno de boas práticas para organização e serviços de Atenção Básica: Critérios, padrões e indicadores, utilizados pelo Sistema QualiAB 2016. Botucatu: UNESP-FM, 2016. Disponível em: < http://www.abasica.fmb.unesp.br/doc/CADERNO.pdf>.

Sanine PR. Avaliação da atenção à saúde da criança em serviços de atenção primária [tese]. Botucatu: Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Medicina de Botucatu; 2018.

Viellas EF et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad Saúde Pública 2014;30(Suppl1)[Acessado 22 maio 2019]:S85-S100. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300016&lng=en&nrm=iso.

Sala A, Mendes JDV. Perfil de indicadores da atenção primária à saúde no Estado de São Paulo: retrospectiva de 10 anos. Saúde Soc 2011;20:912-26.

Prezotto KH, Chaves MMN, Mathias TAF. Hospitalizações sensíveis à atenção primária em crianças, segundo grupos etários e regionais de saúde. Rev Esc Enferm USP 2015;49:44-53.

Sanine PR, Castanheira ERL, Nunes LO, Andrade MC, Nasser MA, Nemes MIB. Sífilis congênita: avaliação em serviços de Atenção Primária do estado de São Paulo, Brasil. BIS, Bol Inst Saúde 2016;17:128-37.

Araújo JP, Silva RMM, Collet N, Neves ET, Toso BRGO, Viera CS. História da saúde da criança: conquistas, políticas e perspectivas. Rev Bras Enferm 2014 nov/dez; 67(6):1000-7.

Gomes TGACB et al. Mortalidade na infância no Brasil e regiões no período de 2000 a 2011: o impacto da atenção básica. Com Ciências Saúde 2016; 27(4):259-66.

Gomes FMA, Cintra AMO, Ricas J, Vecchia MD. Saúde mental infantil na atenção primária à saúde: discursos de profissionais médicos. Saúde Soc São Paulo. 2015;24(1):244-58.

Egry EY, Apostólico MR, Morais TCP, Lisboa CCR. Enfrentar a violência infantil na Atenção Básica: como os profissionais percebem?. Rev Bras Enferm 2017 fev;70(1):119-25.

Schek G, Silva MRS, Lacharité C, Bueno MEN. Os profissionais e a violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes: entre os preceitos legais e conceptuais. Rev esc enferm USP 2016;50(5):779-84.

Publicado
2019-09-23
Secção
Artigos Originais