Acesso à especialização médica: o cenário português

  • Estevão Soares dos Santos Médico Interno de Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública - Universidade NOVA de Lisboa (ENSP-NOVA)
  • Afonso Moreira Médico Interno de Saúde Pública, ENSP-NOVA
  • Ana Regina Sá Médica Interna de Saúde Pública, ENSP-NOVA
  • Tiago Gabriel Médico Interno de Saúde Pública, ENSP-NOVA
  • Vera Pinheiro Médica Interna de Saúde Pública, ENSP-NOVA
  • Pedro Lopes Médico Interno de Saúde Pública, ENSP-NOVA
  • Hugo Esteves Médico Especialista em Saúde Pública, Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública - Universidade de Lisboa. Lisboa, Portugal

Resumo

Na União Europeia cada estado-membro é responsável pela organização do processo de especialização dos médicos, de modo a garantir a sua formação adequada e capacitação profissional, no sentido de garantir uma prestação de cuidados de saúde com elevado nível de qualidade. No entanto, desde 2015, nem todos os formados em medicina, em Portugal, puderam aceder a um programa de formação especializada. O objetivo principal deste estudo foi calcular o número cumulativo de candidatos ao concurso de acesso à especialidade médica que nunca obtiveram uma vaga (candidatos sem vaga - CSV) em cada ano, desde 2012, e estimar a sua evolução até 2021. Os dados relativos aos candidatos à formação especializada foram recolhidos através de listas públicas, publicadas pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) e analisados com a utilização de um modelo de regressão polinomial. Foi analisado um total de 14214 candidaturas à especialização médica, desde 2012 até 2019. O número de CSV até 2018 foi de 2044. Este número triplicou entre 2015 (656) e 2018. Estimamos que este número cresça até 4148 no ano de 2021. O impacto desta tendência na qualidade dos cuidados de saúde e na dinâmica de recursos humanos em saúde carece ainda de esclarecimento. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ghalioungui P. Early specialization in ancient Egyptian medicine and its possible relation to an archetypal image of the human organism. Med Hist. Outubro de

;13(4):383–6.

St. Petersburg State Pediatric Medical University, Saint Petersburg, Russian Federation, Jarman OA, Mikirtichan GL, St. Petersburg State Pediatric Medical

University, Saint Petersburg, Russian Federation. The social status of physicians in Ancient Egypt. Hist Med [Internet]. 2015 [citado 7 de Junho de 2019];2(1). Disponível

em: http://historymedjournal.com/en/anglijskij-variant/article/the-social-status-of-physicians-in-ancient-egypt.html

Matthew Ramsey. The Conception of Specialization in Eighteenth- and Nineteenth- Century French Surgery. Em: History of Ideas in Surgery: Proceedings

of the 17th International Symposium for the Comparative History of Medicine — East and West. 1997.

Weisz G. The emergence of medical specialization in the nineteenth century. Bull Hist Med. 2003;77(3):536–75.

Martins e Silva J. Anotações sobre a história do ensino da Medicina em Lisboa, desde a criação da Universidade Portuguesa até 1911. Disponível em: http://

ordemdosmedicos.pt/wp-content/uploads/2017/09/Anotac%C3%B5es_sobre_hist%C3%B3ria_do_ensino_medicina_I_eII_2002.pdf

Assembleia da República Portuguesa. Lei n.o 56/79 de 15 de Setembro [Internet]. Set 15, 1979. Disponível em: https://dre.pt/application/conteudo/369864

Governo da República Portuguesa. Decreto-Lei n.o 310/82 de 3 de Agosto [Internet]. Disponível em: https://dre.pt/pesquisa/-/search/397295/details/

normal?q=decreto+lei+310%2F82

Governo da República Portuguesa. Decreto-Lei n.o 177/2009 de 4 de Agosto [Internet]. Ago 4, 2009. Disponível em: https://data.dre.pt/eli/dec-lei/177/2009/08/04/p/dre/pt/html

Union Européenne des Médecins Spécialistes. Main UEMS - Postgraduate Training [Internet]. [citado 31 de Maio de 2019]. Disponível em: https://www.

uems.eu/areas-of-expertise/postgraduate-training

Barnett K, Mercer SW, Norbury M, Watt G, Wyke S, Guthrie B. Epidemiology of multimorbidity and implications for health care, research, and medical education:

a cross-sectional study. The Lancet. Julho de 2012;380(9836):37–43.

Borja-Santos R. Mais de 100 médicos ficaram sem vaga para fazer especialidade. PÚBLICO [Internet]. [citado 7 de Junho de 2019]; Disponível em: https://

www.publico.pt/2015/12/04/sociedade/noticia/mais-de-100-medicos-ficaram-sem-vaga-para-fazer-especialidade-1716497

Maia A, Cardoso MD. Pelo segundo ano consecutivo, quase 700 médicos não têm vaga para fazer a especialidade [Internet]. PÚBLICO. [citado 31 de Maio de

. Disponível em: https://www.publico.pt/2018/06/06/sociedade/noticia/pelo-segundo-ano-consecutivo-700-medicos-nao-tem-vaga-para-fazer-a-especialidade-

Administração Central do Sistema de Saúde. Lista definitiva de candidatos admitidos e excluídos IM 2018 [Internet]. [citado 7 de Junho de 2019]. Disponível

em: http://www.acss.min-saude.pt/wp-content/uploads/2016/09/Lista-definitiva-admitidos-e-excluidos-IM2018-5-Dez.pdf

Administração Central do Sistema de Saúde. Mapa de Capacidades Formativas Nacional - Concurso IM 2018 FE [Internet]. 2018 [citado 7 de Junho de 2019].

Disponível em: http://www.acss.min-saude.pt/wp-content/uploads/2016/09/Mapa-vagas-publicacao-1.pdf

BMA - British Medical Association, editor. Shape of Training review [Internet]. [citado 7 de Junho de 2019]. Disponível em: https://www.bma.org.uk/collective-

-voice/policy-and-research/education-training-and-workforce/shape-of-training-review

McPherson K, Headrick L, Moss F. Working and learning together: good quality care depends on it, but how can we achieve it? BMJ Qual Saf. 1 de Dezembro

de 2001;10(suppl 2):ii46–53.

Dussault G, Dubois C-A. Human resources for health policies: a critical component in health policies. Hum Resour Health. Dezembro de 2003;1(1):1.

Lopes D, Castro EA de, Simões J. Saúde 2040. Coimbra: Almedina; 2019.

Publicado
2019-12-04