Ciência e a governança em saúde, o caso da Guiné-Bissau

  • Plácido Cardoso Ministério da Saúde Pública; Célula de apoio à gestão de fundos COVID-19. Guiné-Bissau
  • Isaquiel da Silva Ministério da Saúde Pública; Instituto Nacional de Saúde Pública (INASA). Guiné-Bissau
Palavras-chave: Ciência, governança, saúde, políticas públicas, comunicação em saúde pesquisa, Sistema Nacional de Saúde, Instituto Nacional de Saúde Pública, efeitos benéficos não específicos das vacinas

Resumo

Introdução: A articulação entre a ciência e a governança em saúde é um dos elementos fundamentais que chama atenção de pesquisadores e escritores da saúde pública. Um dos mais críticos problemas da Guiné-Bissau tem a ver com a definição das políticas públicas baseadas nas evidências.

Objetivo: Descrever como a articulação entre a ciência e a governação é traduzida em políticas públicas no setor da saúde na Guiné-Bissau.

Materiais e métodos: Avaliação e reflexão da produção científica das instituições de pesquisas e sua aplicação na tomada de decisões, através de revisão bibliográfica, e análise de documentos e de iniciativas científicas.

Resultados: O Projeto de Saúde Bandim (PSB) é a principal instituição científica em saúde do país e tem produzido numerosos estudos de epidemiologia, realçando-se os achados associados ao conceito de efeitos inespecíficos das vacinas. Porém, nem todos os resultados têm reflexo nas decisões políticas nacionais. Não obstante, os seus resultados têm mere- cido atenção da comunidade científica internacional incluindo a Organização Mundial de Saúde que, inclusive, tem achado alguns resultados contraditórios às suas orientações e políticas. A comunicação e a articulação entre o mundo científico e político são dos maiores problemas da saúde pública guineense. Isto pode ser observado através das inúmeras iniciativas fracassadas por pormenores pequenos.

Conclusão: Apesar da existência de instituições e materiais científicos produzidos ao longo da existência da Guiné-Bis- sau, o ponto da convergência entre a ciência e a governança ou as decisões políticas ainda está distante e deve constituir uma prioridade. Alguns resultados têm demonstrado a necessidade de mudança de algumas intervenções, mas nem sem- pre se conseguiu mudar as políticas em vigor. Este facto deve-se a diferentes fatores nomeadamente (i) a não criação/ institucionalização pelo Sistema Nacional de Saúde de um fórum para apresentação dos resultados das pesquisas realizadas no país, (ii) recursos humanos nacionais limitados no domínio da pesquisa, e (iii) financiamento endógeno nulo para imple- mentação dos projetos de pesquisa. Portanto, pode-se concluir da ausência de condições objetivas para que as evidências científicas resultantes dos estudos feitos na Guiné-Bissau possam contribuir para a mudança e/ou elaboração de políticas públicas coerentes e adequadas ao contexto nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Gostin LO. Language, Science, and Politics. JAMA. 2018 Feb 13;319(6):541.

Matos, MCSN. Governança e políticas públicas em territórios de baixa densidade [Dissertação de mestrado, Iscte - Instituto Universitário de Lisboa]. Repositório do Iscte; 2013.

República da Guiné-Bissau. Criação do Instituto Nacional de Saúde Pública- Estatuto. Decreto Boletim Oficial n 34-26 agosto de 2010.

Teixeira CF. Epidemiologia e planejamento em saúde Ciênc. saúde coletiva. 1999; 4 (2): 287-303. https://doi.org/10.1590/S1413-81231999000200005.

Thysen SM, Fernandes M, Benn CS, Aaby P, Fisker AB. Cohort profile : Bandim Health Project’s (BHP) rural Health and Demographic Surveillance System (HDSS)-a nationally representative HDSS in Guinea-Bissau. BMJ Open. 2019 Jun 11;9(6):e028775. doi: 10.1136/bmjopen-2018-028775. PMID: 31189684; PMCID: PMC6575866.

Mayr A. Taking advantage of the positive side-effects of smallpox vaccination. J Vet Med B Infect Dis Vet Public Health [Internet]. 2004;51(5):199–201.

Benn CS, Fisker AB, Rieckmann A, Sørup S, Aaby P. Vaccinology: time to change the paradigm? Lancet Infect Dis [Internet]. 2020;20(10):e274–83.

World Health Organization. Wkly. Epidemiol. Rec. 89, 233—235. 2014. [Consultado em 26 de março de 2023].

Aaby P, Jensen H, Samb B, Cisse B, Sodemann M, Jakobsen M, et al. Differences in female-male mortality after high-titre measles vaccine and association with subsequent vaccination with diphtheria-tetanus-pertussis and inactivated poliovirus: reanalysis of West African studies. Lancet [Internet]. 2003;361(9376):2183–8.

Aaby P, Martins CL, Garly M-L, Rodrigues A, Benn CS, Whittle H. The optimal age of measles immunisation in low-income countries: a secondary analysis of the assumptions underlying the current policy. BMJ Open [Internet]. 2012;2(4):e000761.

Kristensen I, Aaby P, Jensen H, Fine P. Routine vaccinations and child survival: follow up study in Guinea-Bissau, West Africa Commentary: an unexpected finding that needs confirmation or rejection. BMJ [Internet]. 2000;321(7274):1435–1435.

Biering-Sørensen S, Aaby P, Lund N, Monteiro I, Jensen KJ, Eriksen HB, et al. Early BCG-Denmark and neonatal mortality among infants weighing <2500 g: A randomized controlled trial. Clin Infect Dis [Internet]. 2017;65(7):1183–90.

Benn CS, Jacobsen LH, Fisker AB, et al. Campanhas com vacina oral contra poliomielite podem reduzir a mortalidade e gerar resultados inesperados. Vacina 2017; 35: 1113– 16.

Andersen, A., Fisker, A. B., Rodrigues. Et al. National immunization campaigns with oral polio vaccine reduce all-cause mortality: a natural experiment within seven randomized trials. Frontiers in public health, 2018; 6: 13

Massarani L, Moreira IDEC. Science communication in Brazil: A historical review and considerations about the current situation. An Acad Bras Cienc [Internet]. 2016;88(3):1577–95.

Knorr-Cetina K. A comunicação na ciência. Em Gil F (ed.). A Ciência tal qual se faz. Lisboa: Edições João Sá da Costa. 1999. Pp 375-393

Almeida CDD, Almeida HN. Governança: virtualidades e fragilidades na implantação de políticas públicas. European Journal of Social Sciences Studies. 2018;(2):108–24.

Barata G, Caldas G, Gascoigne T. Brazilian science communication research: national and international contributions. An Acad Bras Cienc [Internet]. 2018;90(2 suppl 1):2523–42.

Kickbusch I, Liu A. Global health diplomacy – reconstructing power and governance. The Lancet. 2022 May;399(10341).

Aaby P, Mogensen SW, Rodrigues A, Benn CS. Evidence of Increase in Mortality After the Introduction of Diphtheria–Tetanus–Pertussis Vaccine to Children Aged 6–35 Months in Guinea-Bissau: A Time for Reflection? Frontiers in Public Health [Internet]. 2018 Mar 19 [cited 2019 Feb 19];6.

Aaby P, Rodrigues A, Kofoed PE, Benn CS. RTS, S/AS01 malaria vaccine and child mortality. The Lancet. 2015 Oct 31 ;386(10005):1735-6

Rodrigues A, Sandström A, Cá T, Steinsland H, Jensen H, Aaby P. Protection from cholera by adding lime juice to food – results from community and laboratory studies in Guinea-Bissau, West Africa. Tropical Medicine & International Health. 2000 Jun;5(6):418–22.

Publicado
2023-07-06
Como Citar
1.
Cardoso P, da Silva I. Ciência e a governança em saúde, o caso da Guiné-Bissau. ihmt [Internet]. 6Jul.2023 [citado 29Fev.2024];22:95-01. Available from: https://anaisihmt.com/index.php/ihmt/article/view/446
Secção
Artigo de Revisão