Inovações na produção do conhecimento em doenças infeciosas: história, arte, cultura e epidemiologia

  • Claudia de Souza Doutora em Saúde Pública Laboratório de Pesquisa em Epidemiologia e Determinação Social da Saúde Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas Fundação Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil
  • Michele de Oliveira Bolsista de Iniciação Científica Laboratório de Pesquisa em Epidemiologia e Determinação Social da Saúde Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas Fundação Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil
  • Maria Gouvea Doutora em Pesquisa Clínica em Doenças Infeciosas Laboratório de Pesquisa em Epidemiologia e Determinação Social da Saúde Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas Fundação Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil
  • Maria Teixeira Mestre em Pesquisa Clínica em Doenças Infeciosas Laboratório de Pesquisa em Epidemiologia e Determinação Social da Saúde Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas Fundação Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil
  • Michele de Barros Mestre em Comunicação e Informação Laboratório de Pesquisa em Epidemiologia e Determinação Social da Saúde Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas Fundação Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil
  • Eloisa da Hora Especialista em Difusão da Ciência Laboratório de Pesquisa em Epidemiologia e Determinação Social da Saúde Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas Fundação Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil
  • Odilio Lino MBA em Gestão Pública Laboratório de Pesquisa em Epidemiologia e Determinação Social da Saúde Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas Fundação Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil
Palavras-chave: Promoção da saúde, participação da comunidade, conhecimento, doenças infeciosas, contadores de histórias

Resumo

Este trabalho pretende refletir as inovações na produção do conhecimento em doenças infeciosas no âmbito da linha de pesquisa, Promoção da Saúde do Laboratório de Pesquisa em Epidemiologia e Determinação Social da Saúde. Esta linha congrega projetos que destinam-se a construir novas práticas de promoção da saúde e formas de produção de conhecimento, por meio de oficinas, palestras, visitas a exposições científicas, centros de ciências, museus, e atividades socioculturais solicitadas pelos pacientes, seus familiares/amigos e colaboradores do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI). As atividades desenvolvidas contam com a parceria da Associação Lutando Para Viver Amigos do INI, entidade conduzida por pacientes e voluntários. Uma das sugestões dos participantes foi a realização de oficinas sobre literatura brasileira e contação de histórias das doenças. Procuramos compartilhar conhecimentos sobre leishmaniose e tuberculose, doenças frequentes no INI agregando-as a atividades lúdicas. Abordamos a história das respetivas doenças, transmissão, epidemiologia, prevenção, tratamento e controle. Realizamos duas oficinas em momentos distintos: a “Literatura de Cordel na Saúde e na Ciência”, utilizando o livreto em cordel “O Bê-A- -Bá da Leishmaniose” e “Noel Rosa: Música, Arte e Tuberculose”. Este trabalho inovador vem contribuindo para a produção e ampliação do conhecimento, uma forma de melhoria da qualidade de vida, valorização da autoestima e inclusão social dos cidadãos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Moreira IC (2006). A inclusão social e a popularização da ciência e tecnologia no Brasil. Rev Inclusão Social 1(2):11-16.

2. Germano MG, Kulesza WA (2007). Popularização da ciência: uma revisão conceitual. Cad Bras Ens Fís 24(1):7-25.

3. Feio A, Oliveira CC (2015). Confluências e divergências conceituais em educação em saúde. Saúde Soc São Paulo 24(2):703-715.

4. Souza CTV (2011). A construção da cidadania científica para a promoção da saúde: uma experiência de produção compartilhada de conhecimento. Consultado em 13 de março de 2016. In: http://www.ces.uc.pt/publicacoes/oficina/ficheiros/4750_Oficina_do_CES_374.pdf

5. Souza CTV, Nunes JA, Hora DL, Erthal RMC, Pimentel MI, Pacheco SJB (2014). Social epidemiology, education, and health promotion in infectious disease. Rev Patol Trop 43(1):98-104.

6. Souza CTV, Pereira RCN. A importância da epidemiologia: entender, refletir e agir. In: Souza CTV (2009). Noções Básicas de Epidemiologia e Prevenção das Doenças Infeciosas e Parasitárias. Armazém das Letras, Rio de Janeiro, Brasil.

7. Silva RC. Por que trabalhar com grupos para a promoção da saúde e cidadania. In: Silva RC (2002). Metodologias Participativas para Trabalhos de Promoção de Saúde e Cidadania. Vetor, São Paulo, Brasil.

8. Gibbs G. Análise de Biografias e Narrativas. In: Gibbs G (2009). Análise dos Dados Qualitativos. Artmed, Porto Alegre, Brasil.

9. Silva G F da (2011). Vertentes e Evolução da Literatura de Cordel. Rovelle, Rio de Janeiro, Brasil.

10. Souza CTV, Barros, MMM, Hora EL, Lino OS, Hora DL (2012). Espaços de conhecimento científico e cultural na promoção da saúde: ações para minimizar as iniquidades em saúde. Tempus Acta de Saúde Col 6(4):187-200.

11. Menq W (2012). Aves de rapina em áreas urbanas. Consultado em 08 de março de 2016. In: http://www.avesderapinabrasil.com/materias/avesderapina_urbanas.htm

12. Buss PM (2003). Uma introdução ao Conceito de Promoção da Saúde. In: Czeresnia D, Freitas CM. Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil.

13. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde (2009). O HumanizaSUS na Atenção Básica. Consultado em 08 de março de 2016. In:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humaniza_sus_atencao_basica.pdf

14. Garuzi M, Achitti MCO, Sato CA, Rocha SA, Spagnuolo RS (2014). Acolhimento na Estratégia Saúde da Família: revisão integrativa. Rev Panam Salud Publica 35(2):144-9.

15. Moraes JGV (2000). História e música: canção popular e conhecimento histórico. Rev Bras Hist 20(39):203-21.

16. Pina JA (2014). Brazilian popular music in constructing public health knowledge: the topic of work process and health. Interface 18(48):87-100.

17. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde (2010). Política Nacional de Saúde. Consultado em 08 de março de 2016. In:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude_3ed.pdf

18. Nunes JA (2009). Saúde, direito à saúde e justiça sanitária. Rev Crít Ciênc Sociais 87:143-163.

19. Café AB (2005). Dos contadores de histórias e das histórias dos contadores. Universidade Federal de Goiás, Brasil.
Publicado
2018-06-24
Secção
Doenças, agentes patogénicos, atores, instituições e visões da medicina tropical