A lepra no estado do Espírito Santo (1930-1943): a construção do Leprosário Colónia de Itanhenga

  • Luiz Arthur Azevedo Barros Mestre em História pela Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Colónia de Itanhenga, lepra, política pública de saúde

Resumo

Este artigo procura apresentar como foram executadas as etapas que levaram à construção do leprosário Colónia de Itanhenga, inaugurado em 1937, destinado ao isolamento compulsório dos leprosos que existiam no estado do Espírito Santo. Durante muitos anos, os poucos casos de lepra registrados no estado levaram a crer que esta era uma região indene à esta doença. Porém, com a chegada do médico Pedro Fontes, em agosto de 1927, indicado para chefiar a Inspetoria de Profilaxia da Lepra e Doenças Venéreas, a real situação foi identificada. Em 1932, após a conclusão de censo efetuado no estado, foram confirmados 334 casos de lepra. Diante deste quadro, Pedro Fontes buscou o apoio do Governo Estadual para a construção de um leprosário para receber estes doentes. A construção deste leprosário estava inserida no período de reestruturação e centralização da saúde pública brasileira, ocorrida durante o governo do Presidente da República Getúlio Vargas, entre 1930 e 1945, em que se registrou uma grande atenção à endemia de lepra no Brasil. A principal ação da política estabelecida pelo Ministro da Educação e Saúde Gustavo Capanema, para impedir o avanço da doença foi a construção de leprosários em diversas regiões do país. O caso particular do estado do Espírito Santo e da construção da Colónia de Itanhenga pode ser valioso para o estudo comparativo dos esforços efetuados por autoridades governamentais e pela sociedade civil para a luta contra a lepra em contextos históricos semelhantes. Para este estudo foram utilizadas as seguintes fontes textuais: documentos, cartas e impressos que pertencem ao arquivo pessoal de Gustavo Capanema, depositado no Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil / Fundação Getúlio Vargas; notícias e matérias publicadas nos jornais dos estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo; livros e artigos escritos pelo médico Heraclides Cesar de Souza-Araujo, publicados na revista Memórias do Instituto Oswaldo Cruz; mensagens e relatórios de governo do estado do Espírito Santo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Relatórios Governamentais: Relatórios de Presidentes da Província do Espírito Santo (1842- 1888). Consultado em 12 de abril de 2014. In: http://www.ape.es.gov.br/index2.htm.

2. Mensagens Governamentais: Mensagens dos Presidentes do Estado do Espírito Santo (1892- 1930). Consultado em 12 de abril de 2014. In: http://www.ape.es.gov.br/index2.htm.

3. Souza-Araujo HC de (1937). A lepra no Espírito Santo e sua prophylaxia: A “Colonia de Itanhenga” – Leprosário modelo. Memória Instituto Oswaldo Cruz 32 (4): 551- 605.

4. Barros LAA (2014). Colónia de Itanhenga – A luta contra a lepra no Espírito Santo (1934-1945). Master Thesis. Universidade Federal do Espírito Santo, Brasil.

5. Cunha VS (2005). O isolamento compulsório em questão: Políticas de combate à lepra no Brasil (1920-1941). Master Thesis. Casa de Oswaldo Cruz/FIOCRUZ, Brasil.

6. Câmara dos Deputados - Lei nº 3.987, de 2 de janeiro de 1920 – Publicação Original. Consultado em 26 de agosto de 2013. In: www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1920-1929/lei-3987-2-janeiro-1920-570495-publicacaooriginal-93627-pl.html.

7. Câmara dos Deputados – Decreto nº 16.300, de 31 de dezembro de 1923 – Publicação Original. Consultado em 27 de agosto de 2013. In: http://www.camara.gov.br/legin/fed/decret/1920-1929/decreto-16300-31-dezembro-1923--503177-publicacaooriginal-1-pe.html.

8. Câmara dos Deputados – Regulamento do Departamento Nacional de Saúde Pública a que se refere o decreto n. 16.300 desta data. Consultado em 27 de agosto de 2013. In: http://www.camara.gov.br/legin/fed/decret/1920-1929/decreto-16300-31-dezembro-1923-503177-regulamento-pe.pdf.

9. Santos VSM (2006). Entidades filantrópicas e políticas públicas no combate a lepra: Ministério Gustavo Capanema (1934-1945). Master Thesis. Casa de Oswaldo Cruz/FIOCRUZ, Brasil.

10. Maciel LR (2007). “Em proveito dos sãos, perde o lázaro a liberdade”: uma história das políticas públicas de combate à lepra no Brasil (1941-1962). Phd Thesis. Universidade Federal Fluminense, Brasil.

11. Arquivo Gustavo Capanema. GC h 1935.09.02 – CPDOC/FGV.

12. Decreto 19.398, de 11 de novembro de 1930 – Diário da Manhã, 15/11/1930, Vitória, Espírito Santo.

13. A Interventoria Federal e o Serviço de Prophylaxia da Lepra. Diário da Manhã. Vitória, p.3, 25 novembro 1934.

14. Colonia de Itanhenga. Diário da Manhã , Vitória, p.1, 23 maio de 1935.

15. Fazendeiros em visita ao Leprosario de Itanhenga. A Noite, Rio de Janeiro, 26 abril de 1937.
Publicado
2018-06-24
Secção
Doenças, agentes patogénicos, atores, instituições e visões da medicina tropical