A Fundação Rockefeller e a medicina tropical em São Paulo. Circuitos, redes e personagens da parasitologia médica, microbiologia e anatomia patológica (1918-1969)

  • Maria Gabriela S.M.C. Marinho Professora da Universidade Federal do ABC (UFABC); vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais (PCHS-UFABC)
Palavras-chave: Fundação Rockefeller, medicina colonial em São Paulo, história das práticas médicas, história da parasitologia, história da medicina tropical

Resumo

Os acordos assinados entre a Fundação Rockefeller e a Faculdade de Medicina de São Paulo para criação da Cadeira de Higiene, transformada sucessivamente em Departamento de Higiene, em 1918, e Instituto de Higiene, em 1925, asseguraram a constituição de um circuito de produção científica em torno da Parasitologia Médica, Microbiologia e Anatomia Patológica, distinto das práticas anteriores desenvolvidas em São Paulo em relação à disponibilidade de financiamentos vinculação aos centros de pesquisa no exterior. Nessa perspetiva, o artigo pretende identificar e analisar aspetos do ambiente de pesquisa e das redes de intercâmbio que se constituíram a partir de tais acordos, assinalando tensões e cisões decorrentes das novas alianças instituídas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Benchimol, JL. e Sá, MR (orgs.) (2006). Adolpho Lutz e a Entomologia Médica no Brasil/Adolpho Lutz Medical Entomology in Brazil. Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil.

2. Campos, C (2002). São Paulo pela Lente da Higiene: as propostas de Geraldo Horácio de Paula Souza para a cidade: 1925-1945. Rima, São Carlos, Brasil.

3. Faria, LR (1994). A Fase Pioneira da Reforma Sanitária no Brasil: a atuação da Fundação Rockefeller (1915-1930). Inst. Med. Social/UERJ, Rio de Janeiro.

4. Faria, LR (2007). Saúde e Política: a Fundação Rockefeller e seus parceiros em São Paulo. Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil.

5. Korndörf, AP (2013). “Na International Problem of Serious Proportions”: a cooperação entre a Fundação Rockefeller e o estado do Rio Grande do Sul no combate à ancilostomíase e seus desdobramentos (1919-1929). PUC/RS, Porto Alegre, Brasil. [http://tede.pucrs.br/tde_arquivos/15/TDE-2013-05-14T053823Z-4453/Publico/449009.pdf]

6. Korndörfer, AP (2015). A Fundação Rockefeller Chega ao Brasil: cooperação no combate ao “mal da terra” (1916-1923). in Marinho, MGSMC, Mota, A e Campos, C (orgs.). obra cit.

7. Labra, ME (1985). Movimento Sanitarista nos anos 20: da Conexão Sanitária Internacional à especialização em Saúde Pública no Brasil. Rio de Janeiro, Brasil.

8. Löwy, I (2006). Vírus, Mosquito e Modernidade: a febre amarela no Brasil entre ciência e política. Fiocruz, Rio de Janeiro, Brasil.

9. Marinho, MGSMC (1993). O Papel da Fundação Rockefeller na Organização do Ensino e da Pesquisa na Faculdade de Medicina de São Paulo (1916-1931). DPCT/Inst. Geoc./UNICAMP, Campinas, Brasil. Conferir o texto integral e outras referencias no endereço abaixo: http://www2.fm.usp.br/museu/mostrahp. p h p ? o rigem=mu s eu&xcod=Cole%E7%E3o%20Medicina,%20Sa%FAde%20e%20
Hist%F3ria&dequem=Downloads%20de%20Livros

10. Marinho, MGSMC (1999). A Filantropia Científica e a Implantação da Ciência Profissional em São Paulo: a articulação entre a Fundação Rockefeller e a Universidade de São Paulo; análise do papel de Ernesto de Souza Campos e Zeferino Vaz como “parceiros” da filantropia norte-americana na institucionalização da pesquisa de excelência: 1934-1952. FFLCH/USP, São Paulo, Brasil.

11. Marinho, MGSMC (2001). Norte-Americanos no Brasil: uma história da Fundação Rockefeller na Universidade de São Paulo (1934-1952). Autores Associados/USF/ FAPESP, Campinas/Bragança Paulista, Brasil.

12. Marinho, MGSMC (2003). Elites em Negociação: breve história dos acordos entre a Fundação Rockefeller e a Faculdade de Medicina de São Paulo: 1916-1931. CDAPH/EdUSF, Bragança Paulista, Brasil.

13. Marinho, MGSMC (2004). A Fundação Rockefeller e Instituições de Ensino e Pesquisa em São Paulo: procedimentos, práticas e personagens no campo biomédico: uma análise preliminar (1916-1952). Horizontes. 22 (2), Bragança Paulista, Brasil.

14. Marinho, MGSMC e Mota, A (orgs.) (2013). Caminhos e Trajetos da Filantropia Científica em São Paulo: a Fundação Rockefeller e suas articulações no ensino, pesquisa e assistência para a medicina e saúde (1916-1952). FMUSP/UFABC/Casa de Soluções, São Paulo, Brasil.

15. Marinho, MGSMC, Mota, A e CAMPOS, C (orgs.) (2015). Racionalidades em Disputa: intervenções da Fundação Rockefeller na ciência, medicina e prática médicas do Brasil e América Latina. FMUSP/UFABC/Casa de Soluções, São Paulo, Brasil.

16. Rocha, HHP (2003). A Higienização dos Costumes: educação escolar e saúde no projeto do Instituto de Hygiene de São Paulo: 1918-1925. Mercado de Letras/Fapesp, Campinas/São Paulo, Brasil.

17. Santos, LAC e Faria, LR (2003). A Reforma Sanitária no Brasil: ecos da Primeira República. CDAPH/EdUSF, Bragança Paulista, Brasil.

18. Caponi, S (2002). Coordenadas Epistemológicas de la Medicina Tropical. Hist. Ciênc. Saúde: Manguinhos. 10 (1): 113-149

19. Holanda, SB (1988). Raízes do Brasil. 20ª ed. José Olympio, Rio de Janeiro, Brasil.

20. Freyre, GM (1974). Ordem e Progresso: processo de desintegração das sociedades patriarcal e semipatriarcal no Brasil sob o regime de trabalho livre: aspetos de um quase meio século de transição do trabalho escravo para o trabalho livre; e da monarquia para a república. [tomo 1]. 3ª ed. José Olympio/ INL, Rio de Janeiro/Brasília, Brasil.

21. O Estado de São Paulo, de 10 de Fevereiro de 1908.

22. Pearce R (1922). RAC Relatório Pearce Brazil. USA.
Publicado
2018-06-24
Secção
Políticas e redes internacionais de saúde pública no século XX