O impacto da II Guerra Mundial na obra de Aldo Castellani: a sua influência na escola portuguesa de medicina tropical (1946-1971)

  • Isabel Amaral Professora Auxiliar do Departamento de Ciências Sociais Aplicadas, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa CIUHCT, Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa
Palavras-chave: Aldo Castellani, medicina tropical e saúde global, IIª Guerra Mundial, escola portuguesa de medicina tropical, Instituto de Medicina Tropical

Resumo

O término da IIª Guerra Mundial constitui um marco crucial na narrativa da medicina tropical. Com ela se reorganiza não só o mapa geopolítico como também o mapa científico e médico de uma área disciplinar já consolidada definindo redes de conhecimento, de interesses e de estratégias de desenvolvimento global. A posição singular portuguesa neste cenário internacional apontava dinâmicas particulares no que concerne à medicina tropical, nomeadamente no que diz respeito à circulação de investigadores estrangeiros, no país, por razões políticas. É neste contexto que surge a figura de Aldo Castellani (1877-1971), que chegou a Lisboa, em 1946, acompanhando o Rei Humberto II (1904-1983), da casa de Savoia (Itália), no seu exílio político. Sendo à época, um médico tropicalista de renome internacional, Castellani foi admitido no Instituto de Medicina Tropical (IMT), como professor e investigador, não obstante ter sido elemento de discórdia na descoberta do agente etiológico da doença do sono, numa controvérsia que envolveu a missão portuguesa liderada por Aníbal Bettencourt, em 1901, em Angola. Em Lisboa permaneceu durante 25 anos deixando o seu legado documental ao Instituto de Higiene e Medicina Tropical, que utilizaremos como recurso bibliográfico neste trabalho. Para refletir sobre os efeitos do exílio de Castellani em Portugal, na sua carreira e na medicina tropical europeia, fortemente marcada pela agenda política, procuraremos reposta às seguintes questões: de que forma Aldo Castellani terá sido influenciado e influenciou a escola portuguesa de medicina tropical? Como equacionar o caso de Aldo Castellani numa agenda mais alargada de interpretação dos efeitos da IIª Guerra Mundial na definição das políticas de saúde no contexto português na segunda metade do século XX?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Costa WM (1991). Geografia Política e Geopolítica: Discursos sobre o Território e o Poder. S. Paulo, EDUSP – Editora da Universidade de S. Paulo.

2. Hartshorne R (1935). Recent Developments in Political Geography I. American Political Science Review 29.5: 785–804.

3. Gottmann J (1952). La Politique des Etats et leur géographie. Revue française de science politique. Année, 2 (4): 831-833.

4. Meneses FR (2010). Salazar, Biografia Política. Lisboa. D. Quixote.

5. Mucznik E (2012). Portugueses no Holocausto. Lisboa, A Esfera dos Livros.

6. Pimentel, IF (2008). Judeus em Portugal durante a II Guerra Mundial. Lisboa, A Esfera dos Livros.

7. Chalante S (2011). O discurso do Estado salazarista perante o “indesejável” (1933- 1939). Análise Social, XLVI (198): 41-63.

8. José Alain Fralon (1999). Aristides Sousa Mendes – um herói português. Lisboa, Editorial Presença

9. Bhattacharya S (2007). Struggling to a monumental triumph: re-assessing the final phases of the smallpox eradication program in India, 1960-1980. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, 14 (4): 1113-1129.

10. Bhattacharya S (2006). Expunging Variola: The Control and Eradication of Smallpox in India, 1947-1977, New Dehli, Orient Longman Private limited.

11. Neill D (2012). Networks in Tropical Medicine: Internationalism, Colonialism, and the Rise of a Medical Specialty, 1890–1930. Stanford, Stanford University Press.

12. Headrick DR (2014). Sleeping Sickness Epidemics and Colonial Responses in East and Central Africa, 1900–1940. PLoS Negl Trop Dis 8 (4): e2772. doi:10.1371/journal. pntd.0002772.

13. Cueto M (2007). Cold War, Deadly Fevers: Malaria Eradication in Mexico, 1955–1975. Washington DC, Woodrow Wilson Center Press.

14. Benchimol JL (2010). Bacteriologia e medicina tropical britânicas: uma incursão a partir da Amazônia (1900-1901). Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, 5 ( 2) :315-344.

15. (1968). Aldo Castellani. Annuario Accademia Nazionale dei XL. Roma.

16. Castellani A (1907). Experimental Investigations on Framboesia Tropica (Yaws). Journal of Hygiene, VII (4): 558-569.

17. Castellani A (s.d). Curriculum dactilografado assinado pelo autor. Espólio IHMT.

18. Cambournac FJC (1971). Professor Sir Aldo Castellani. Anais Escoal Nacional de Saúde Pública e Medicina Tropical, 5 (3-4): 377-383.

19. Gentile P. Depois da derrota. O exílio português de Carlos Alberto, rei da Sardenha, e Humberto II, rei de Itália). In: Lopes MA, Raviola BA (coord.) (2012). Portugal e o Piemonte: a casa real portuguesa e os Sabóias: nove séculos de relações dinásticas e destinos políticos (XII-XX). Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra: 301-335. DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0586-9.

20. Castellani A, Chalmers AJ (1910). Manual of tropical medicine. London, Baillière, Tindall and Cox.

21. Castellani A, Jacono I (1937). Manuale di clinica tropicale. Torino, Rosenberg and Sellier.

22. Castellani, Aldo (1928). Fungi and Funguous Diseases. Chicago, American Medical Association.

23. Castellani, Aldo (1946). Le malatie dell’Africa : manuale pratico. Roma, Ministero dell’Africa Italiana.

24. Castellani, Aldo (1949). Little known tropical diseases. Anais do Instituto de Medicina Tropical, VI: 369-534.

25. Ito K (1982-1983). A synopsis of the life of Aldo Castellani. Euphoric et cacaphoria (A.C.M.R), 12: 1-8.

26. Castellani A (1968). Microbes, Men and Monarchs. London, Victor Gollangz Ltd.

27. Binazzi M (1991). Italian Memoirs of Aldo Castellani. International Journal of Dermatology, vol 30 : 741-745.

28. Amaral I (2012). Bactéria ou parasita?: a controvérsia sobre a etiologia da doença do sono e a participação portuguesa, 1898-1904. História, Ciência, Saúde – Manguinhos, 19(4): 1275-1300.

29. Castellani A (1903). Presence of trypanossoma in sleeping sickness. Proceedings of the Royal Society, 71: 501.

30. (1913). Sleeping Sickness. The Times. September 22.

31. (1917) The discoverer of the cause of sleeping sickness. To the editor of British Medical Journal. British Medical Journal, September 15.

32. Castellani A (1957). Correspondência de Aldo Castellani para J. Davies. 27 Agosto. Carta datilografada. Espólio de Aldo Castellani, IHMT.

33. (1927). “Microbe Hunters”. American Medical Association. April 2, 88, 1907-1008.

34. Lafford MAH (1935). The mystery of sleeping sickness. Medical Record. December 35. Davies JNP (1962). The cause of sleeping sickness? Entebe 1902-03. Par I. East African Medical Journal, 39 (3), 81-99.

36. Davies JNP (1962). The cause of sleeping sickness? Entebe 1902-03. Par II. East African Medical Journal, 39 (4), 145-160.

37. Castellani A (1966). Correspondência de Aldo Castellani para C. Dolman. 3 Agosto. Carta datilografada. Espólio de Aldo Castellani, IHMT.

38. (1968). Entrega das insígnias das palmas académicas ao Professor Aldo Castellani, em 28 de Março de 1968. Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa, 40: 52-58.

39. Ito K (1964). Aldo Castellani, 1874-1971. Bull. N. Y. Acad. Med., 60 (10): 1011-1029.

40. Castelalni A (1962). Long viability – over a year – of many pathogenic fungi and certain bacteria in sterile distilled water, an a simple method for the maintenance of fungi in mycological collections. Anais do Instituto de Medicina Tropical, 19 (1/4): 5-8.

41. Castellani A (1954). A brief note on Bacillus cascainensis (= Krusella cascinensis cast. its taxonomic position. Clinica malattie Tropicali. Roma. Tipografia E. Pinci.

42. Castellani A (1956). A brief note on Bacillus cascainensis (Cast. 1954) and its taxonomic position. Clinica malattie Tropicali. Roma. Tipografia E. Pinci.
Publicado
2018-06-24
Secção
Políticas e redes internacionais de saúde pública no século XX