Roteiro estratégico para a telessaúde na CPLP: diagnóstico e prioridades para o desenvolvimento da telessaúde

  • Luís Velez Lapão Global Health and Tropical Medicine, Instituto de Higiene e Medicina Tropical IHMT, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal
  • Luíz Ary Messina Rede Universitária de Telemedicina RUTE, Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), Brasilia, Brasil
  • Regina Ungerer Fundação Oswaldo Cruz Fiocruz, Brasil
  • Francisco Campos Fundação Oswaldo Cruz Fiocruz, Brasil
Palavras-chave: Telessaúde, CPLP, estratégia, teleducação, acesso universal à saúde

Resumo

Como resultado da III Reunião de Ministros da Saúde da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) realizada em Maputo em 2014, em que os Ministros da Saúde afirmaram o compromisso de promover o uso das tecnologias de informação e comunicação (TIC) para o acesso universal a cuidados de saúde de qualidade, a custos sustentáveis, propõe-se um diagnóstico das capacidades existentes nos países, uma análise do uso potencial da telessaúde e um conjunto de recomendações de curto-médio prazo para que os países da CPLP possam desenvolver suas estratégias nacionais no uso das TIC e mais especificamente para o uso da telessaúde. Os Estados membros da CPLP têm uma larga experiência no uso das TIC para telessaúde especialmente na educação à distância e na prática de vídeo/ webconferências. Contudo o seu potencial está longe de ser totalmente aproveitado e identificam-se muitas oportunidades de cooperação como forma de alavancar o seu uso. Recomendações para potenciar a telessaúde no âmbito da CPLP são: 1. Promover mais a educação à distância, telemedicina e a simulação médica; 2. Aplicar as melhores práticas das TIC na saúde para tornar os serviços de saúde mais acessíveis, sustentáveis e disponíveis; 3. Apoiar o uso da telessaúde na promoção do acesso universal da saúde; 4. Promover a ligação entre as instituições de ensino superior e investigação, e unidades de saúde em redes de alta velocidade; 5. Promover o uso da telessaúde na Saúde Pública, vigilância em saúde, na promoção e prevenção da saúde, emergências sanitárias e pesquisas multicêntricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Perednia DA & Allen A. Telemedicine technology and clinical applications.
JAMA 1995: 273(6): 483-488.
2. Plano de Ação de Maputo do PECS/CPLP. Comunidade dos Países de Língua
Portuguesa. February 2014. http://www.cplp.org/id-2367.aspx.
3. Mitka M. Developing countries find telemedicine forges links to more care and
research. JAMA 1998: 280(15): 1295-1296.
4. Kuhn KA, Giuse D, Lapão LV & Wurst S. Expanding the Scope of Health Information
Systems. Methods of information in medicine, 1999: 46(4): 500-502.
5. Lapão LV & Lopes M. Managing health systems in a globalized world: Telemedicine
service improves access to pediatric cardiology in Cape Verde. In IST-Africa
Conference and Exhibition (IST-Africa), 2013 (pp. 1-8). IEEE.
6. Latifi R, Dasho E, Merrell RC, Lopes M, Azevedo V, Bekteshi F, ... & Lecaj I.
Cabo Verde Telemedicine Program: Initial Results of Nationwide Implementation.
Telemedicine and e-Health, 2014: 20(11): 1027-1034.
7. Chao LW, Enokihara MY, Silveira PSP, Gomes SR, Böhm GM. Telemedicine
model for training non-medical persons in the early recognation of melanoma.
Journal of Telemedicine and Telecare, 2003; 9:S1:4-7.
8. Chao LW, Cestari TF, Bakos L, Oliveira MR, Miot HA, Böhm GM. Evaluation
of an Internet-based tedermatology system. Journal of Telemedicine and Telecare,
2003; 9:S1:9-12.
9. Kavamoto CA, Chao LW, Battistella LR, Böhm GM. A Brazilian model of distance
education in physical medicine and rehabilitation based on videoconferencing
and internet learning. Journal of Telemedicine and Telecare, 2005; 11:S1:80-82.
10. Lapão LV. HPC Telemedicine‘s Service Improves Access to Pediatric Cardiology
in Central Portugal: Leadership, Organization and training as critical success
factors–People Really Matter!– in Lapão LV & Tavares LV. Complexity and Reform of
Public Administration: Findings and Case Studies. INA Papers, 2006, 31.
11. Taleb AC, Böhm GM, Avila M, Chao LW. The efficacy of telemedicine for
ophthalmology triage by a general practitioner. Journal of Telemedicine and Telecare,
2005; 11:S1:83-85.
12. Trindade MAB, Wen Chao L, Festa CN, et al. Accuracy of store-and-forward
diagnosis in leprosy. Journal of Telemedicine and Telecare, 2008;14:2-8-10.
13. Paixão MP, Miot HA, Souza PE, Haddad AE, Chao LW. A University extension
course in leprosy: telemedicine in the Amazon for primary healthcare. Journal of
Telemedicine and Telecare, 2009; 15:64-67.
14. Paixão MP, Miot HA, Wen Chao L. Tele-education on Leprosy: Evaluation of
an Educational Strategy. Telemedicine Journal and e-Health, 2009; 15(6):552-559.
15. Gundim RS, Wen LChao. A Graphical Representation Model for Telemedicine
and Telehealth Center Sustainability. Telemedicine Journal and e-Health, 2011;
17(3):1-5.
16. Andreazzi DB, Rossi F, Chao LW. Interactive Tele-Education Applied to a Distant
Clinical Microbiology Specialization University Course Telemedicine and e-
-Health, 2011; 17(7):1-6.
17. Camargo LB, Aldrigui JM, Imparato JCP, Mendes FM, Wen CL, Bönecker M, Raggio
DP, and Haddad AE. E-Learning Used in a Training Course on Atraumatic Restorative
Treatment (ART) for Brazilian Dentists. J Dent Educ, 2011; 75:1396-1401.
18. Lapão LV, et al. Using Design Science Research to develop Online Enhanced Pharmaceutical
Care Services. Studies in health technology and informatics, 2014, 205: 266.
19. Messina, L.A. et al, Rute 100 – As 100 primeiras unidades de Telessaúde no
Brasil e o impacto da Rede Universitária de Telessaúde (RUTE) http://rute.rnp.
br/ ISBN 978-85-7650-439-9 editora e-papers 2014.
20. ALKMIM, M.B.M. et al, The economic impact of using telehealth on primary
care on the municipal budget in the State of Minas Gerais, download/2010/parallel_sessions/presentation/day2/The_Economic_Impact.pdf>.
21. IV and VI EUROPEAN UNION – LATIN AMERICA AND THE CARIBBEAN
MINISTERIAL FORUM ON THE INFORMATION SOCIETY – @lis, Rio de Janeiro,
Nov. 2004, Lisbon, April 2006.
22. Desarrollo de la telesalud en América Latina: aspectos conceptuales y estado
actual, CEPAL octubre 2013 http://www.cepal.org/es/search?as_q=telesalud
23. Conversaciones sobre eSalud: Gestión de información, diálogos e intercambio
de conocimientos para acercarnos al acceso universal a la salud”. OPS 2014, [Spanish]
Download the book in .pdf format
24. ICT IN HEALTH 2013, SURVEY ON THE USE OF INFORMATION AND
COMMUNICATION TECHNOLOGIES IN BRAZILIAN HEALTHCARE FACILITIES,
RUTE pgs. 87 and 223, www.cgi.br
25. Messina, L.A., Ribeiro,J.L., Impactos da Rede Universitária de Telessaúde
RUTE: Ações de educação contínua, pesquisa colaborativa, assistência, gestão e
avaliação remota - Fase I - 2006/2009 http://rute.rnp.br/web/rute/impactos-
-da-rede-universitaria-de-telessaúde ISBN 978-85-7650-371-2 editora e-papers
2013.
26. BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO (BID) E FUNDAÇÃO
DE DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA (FUNDEP). Protocolo ATN/OC-
11431-RG. Protocolos Regionais de Política Pública para Telessaúde. LEG/SGO/
CSC/IDBDOCS #1893634, 30 de outubro de 2009. Fundep/UFMG, BID.
27. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 35, de 01 de janeiro de 2007. Institui
no âmbito do Ministério da Saúde o Programa Nacional de Telessaúde na Atenção
Primária com nove unidades/estados (UFRGS, UFSC, USP, UERJ, UFMG, UFG,
UFPE, UFC, UEA) e 900 pontos remotos. Em 2009, o Acre torna-se o décimo
estado a implantar o Telessaúde Brasil.
28. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 561, de 16 de março de 2006. Institui
no âmbito do Ministério da Saúde a Comissão Permanente de Telessaúde.
Subgrupos de Conteúdo, Infraestrutura e projetos, reembolso, padrões.
29. CAMPOS, F. Programa Telessaúde Brasil: a experiência piloto e os desafios da
expansão, SGTES/MS, IV CBTMS, BH, 09/12/10.
30. COURY, W.; MESSINA, L.A.; FILHO, J.L.R.; SIMÕES, N. Implementing Rute’s
Usability The Brazilian Telemedicine University Network. IEEExplore Services (SERVICES-
1), 2010 IEEE 6th World Congress on Services.
31. FÓRUM DA REDE UNIVERSITÁRIA DE TELESSAÚDE (RUTE) 2009. Disponível
em: . Rio de Janeiro, HU-UFRJ, 2009.
32. MINISTÉRIOS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI), DA
EDUCAÇÃO (MEC) E DA SAÚDE (MS). Seminário “Os Hospitais Universitários
e a Integração Educação, Saúde e Ciência e Tecnologia”. (Agosto de 2007, Brasília);
Workshops de Telessaúde e Telessaúde promovidos pelo Conselho. 9.Federal de
Medicina (Março de 2007, Manaus; Maio de 2007, Recife; Julho de 2007, Brasília);
Congressos da SBIS, Abrahue e do CBTMS (2006).
33. REDE UNIVERSITÁRIA DE TELESSAÚDE – RUTE. Convênio Encomenda-
-FNDCT. Ação Transversal ref. 2738/05. UFPR, Unifesp, Pazzanese, Unicamp,
UFES, UFBA, UFAL, UFPE, UFPB, UFC, UFMA, UFAM, FioCruz, HC–FMUSP,
HU-USP, ISCMPA, Uerj, UFMG, UFSC. Janeiro de 2006. Disponível em: rute.rnp.br/documentos>.
34. IV EUROPEAN UNION – LATIN AMERICA AND THE CARIBBEAN MINISTERIAL
FORUM ON THE INFORMATION SOCIETY – @lis. An Alliance for
Social Cohesion through Digital Inclusion: Rio de Janeiro Declaration. Rio de Janeiro,
novembro de 2004.
35. VI EUROPEAN UNION – LATIN AMERICA AND THE CARIBBEAN MINISTERIAL
FORUM ON THE INFORMATION SOCIETY – @lis. An Alliance for
Social Cohesion through Digital Inclusion: Lisbon Declaration. Lisboa, abril de 2006.
36. Sigulem, D., O Desafio da Informação na Era Digital, palestra no Seminário
“Os Hospitais Universitários e a Integração Educação, Saúde, Ciência e Tecnologia”,
01/08/2007, Brasília, DF.
37. Silva, A.B., Telessaúde no Brasil - Conceitos e Aplicações, RJ Editora DOC,
2014, ISBN 978-85-62608-84-1, CDD 658.159.32.
38. Portaria 402 - Expansão Telessaúde - Diário Oficial 24/02/2010 Institui, em
âmbito nacional, o Programa Telessaúde Brasil para apoio à Estratégiade Saúde da
Família no Sistema Único deSaúde, institui o Programa Nacional de Bolsas do Telessaúde
Brasil.
39. Portaria nº 2.554 Informatização e Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica,
28/10/2011 Diário Oficial da União
40. PORTARIA TELESSAUDE Nº 2546 Redefine e amplia o Programa Telessaúde
Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde
Brasil Redes). em 27/102011 Diário Oficial da União.
41. PORTARIA nº 2 073 de 31 de agosto de 2011- Regulamenta o Uso de Padrões
de Interoperabilidade e Informação em Saúde para Sistemas de Informação em Saúde
no Âmbito do SUS.
42. Azevedo V (2014). Estratégia para a telessaúde em Cabo Verde. Ministério da
Saúde de Cabo Verde.
43. Maia MR, Correia AJ & Lapão LV (2015) Telessaúde - Um meio para a saúde
global. Um caminho para o acesso universal à saúde. Policy paper. Instituto de Higiene
e Medicina Tropical. Universidade Nova de Lisboa. http://www.ihmt.unl.
pt/wp-content/uploads/2015/11/policy-paper-telessaúde-13out.pdf
Publicado
2018-08-27