A efetivação do direito universal à saúde: os casos de Portugal, Brasil e Cabo Verde

  • Fernando Passos Cupertino de Barros Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Goiás, Brasil; Conselho Nacional de Secretários de Saúde do Brasil - CONASS
  • Luís Velez Lapão Global Health and Tropical Medicine, Instituto de Higiene e Medicina Tropical IHMT, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal
Palavras-chave: Cuidados de Saúde Primários, CPLP, acesso universal à saúde, Alma-Ata, fortalecimento dos profissionais de saúde

Resumo

Os autores traçam uma análise dos sistemas de cuidados primários de saúde de Portugal, Cabo Verde e Brasil, salientando os aspetos ligados ao
direito à saúde e sua efetiva garantia por meio da organização de sistemas e serviços de cuidados de saúde primários. Destacam os avanços e as principais estratégias utilizadas e apontam os desafios que persistem e que devem ser superados. Salienta-se ainda o peso da reunião de Alma-Ata para o reforço da estratégia da saúde da família e a distinção de Portugal, onde a criação da carreira de médico de família teve impacto muito significativo. Discorrem, ainda, sobre os fatores que têm influência nos processos de reforma e de reorientação dos serviços de saúde calcados sobre o fortalecimento da atenção primária à saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil
1. Silva JB, Barros MBA. Epidemiologia e desigualdade: notas sobre a teoria e
a história. Revista Panamericana de Salud Publica, v. 12, n. 6, p. 375, 2002.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção
da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. A Declaração de Alma-Ata. Série
B: Textos Básicos em Saúde. Brasília, 2002 Disponível em http://bvsms.saude.
gov.br/bvs/publicacoes/cartas_promocao.pdf. Acesso em 10 de setembro de
2014.
3. Vieira-da-Silva LM, Almeida Filho N. Equidade em saúde: uma análise crítica
de conceitos. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. Sup 2, p. S217-S226, 2009.
4. Piola SF, Viana SM. Saúde no Brasil: algumas questões sobre o Sistema Único
de Saúde (SUS). Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
(IPEA), 2009.
5. Fleury S. Direitos sociais e restrições financeiras: escolhas trágicas sobre universalização.
Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 6, 2011.
6. Conselho nacional de secretários de saúde. O financiamento da saúde. Brasília,
2011.
7. Piola SF et al. Financiamento público da saúde: uma história à procura de
rumo. Texto para discussão. Instituto de Pesquisa Aplicada. Rio de Janeiro, 2013.
Disponível em http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/1580/1/
TD_1846.pdf. Acesso em 12 de junho de 2014.
8. Castro JD, Cortes SV. O financiamento dos sistemas de saúde do Brasil e Portugal:
qual o futuro? Saúde em Redes. 2015;1(2):31-42.
9. Mendes EV. 25 anos do Sistema Único de Saúde: resultados e desafios. Estudos
Avançados, v. 27, n. 78, pp. 27-34, 2013.
10. Soares A, Santos NR. Financiamento do Sistema Único de Saúde nos governos
FHC, Lula e Dilma. Saúde Debate. Rio de Janeiro, v. 38, n. 100, P. 18-25, 2014.
11. Flores O, Sousa MF, Hamann EM. Agentes Comunitários de Saúde: vertentes
filosóficas, espaços e perspetivas de atuação no Brasil. Com. Ciências Saúde.
2008;19(2):123-136. Disponível em < http://www.escs.edu.br/pesquisa/
revista/2008Vol19_2art05agentes.pdf>. Acesso em 20 de novembro de 2015.
12. Viana ALD, Dal Poz MR. A reforma do sistema de saúde no Brasil e o Programa
de Saúde da Família. Physis (Rio J.), v. 8, n. 2, p. 11-48, 1998.
13. Macinko J, Lima Costa MF. Access to, use of and satisfaction with health services
among adults enrolled in Brazil's Family Health Strategy: evidence from the
2008 National Household Survey. Trop Med Int Health 2012;17:36-42;
14. Rocha R, Soares RR. Evaluating the impact of community-based health
interventions: evidence from Brazil's Family Health Program. Health Econ
2010;19:Suppl:126-158;
15. Rasella D, Harhay MO, Pamponet ML, Aquino R, Barreto ML. Impact of primary
health care on mortality from heart and cerebrovascular diseases in Brazil: a
nationwide analysis of longitudinal data. BMJ 2014;349: g4014-g4014.
16. Harris M. et al. Brazil’s family health programme. BMJ, v. 341, 2010.
17. Shimizu HE, Carvalho Junior DA. O processo de trabalho na Estratégia Saúde
da Família e suas repercussões no processo saúde-doença. Cien Saude Colet, v.
17, n. 9, p. 2405-2414, 2012.
18. Barros FPC. A incorporação dos conhecimentos em saúde coletiva nas políticas
e práticas municipais do SUS - a perspetiva do CONASS. BIS. Boletim do
Instituto de Saúde (Impresso), v. 13, n. 3, p. 223-229, 2012

Cabo Verde
19. Gonçalves, L., Santos, Z., Amado, M., Alves, D., Simões, R., Delgado, A.
P., ... Lapão LV & Craveiro, I. (2015). Urban Planning and Health Inequities:
Looking in a Small-Scale in a City of Cape Verde. PloS one, 10(11), e0142955.
20. Lapão LV (2012). ANÁLISE DA GOVERNAÇÃO DO SISTEMA DE SAUDE.
Dinâmica da Ilha de Santiago/Hospital Agostinho Neto. CABO VERDE. Organização
Mundial de Saúde 2012.
21. República de Cabo Verde (2014). Ministério da Saúde. Pacto Nacional de
Saúde. Praia, 2014
22. República de Cabo Verde (2007). Ministério da Saúde. Política Nacional de
Saúde. Praia, 2007
23. República de Cabo Verde (2005). Ministério da Saúde. Gabinete de Estudos
Planeamento e Cooperação. Política Nacional de Informação Sanitária, 2005;
Portugal
24. APMCG. 1991. Um futuro para a medicina de família em Portugal. Lisboa:
Edições Especiais Direção nacional da Associação Portuguesa dos Médicos de Clínica
Geral., APMCG.
25. Baker, R., Lakhani, M., Fraser, R., Cheater, F. (1999), " Um modelo de
governação clínica em grupos de cuidados primários ", British Medical Journal;
318:779-83.
26. Barringer, B. R., & Jones, F. F. (2004). Achieving rapid growth: revisiting
the managerial capacity problem. Journal of Developmental Entrepreneurship,
9(1), 73.
27. Baser, H. e Morgan, P. (2008), "Capacidade, desempenho e resultados, Centro
Europeu para o Desenvolvimento da Política Management", disponível em:
http://www.ecdpm.org/capacitystudy(acessado em 2016/04/2).
28. Biscaia AR, Martins JN, Carreira MFL, Gonçalves IF, Antunes AR, Ferrinho
P. 2006. Os Cuidados de Saúde Primários. In Cuidados de Saúde Primários em
Portugal – Reformar para Novos Sucessos. Padrões Culturais Editora: Lisboa.
29. Biscaia AR. 2006. A reforma dos cuidados de saúde primários e a reforma do
pensamento. Rev Port Clin Geral 22: 67-79.
30. Bodenheimer T, Wagner EH, Grumbach K. 2002. Improving Primary
Care for Patients with Chronic Illnes. The Chronic Care Model, Part 2. JAMA
288:1909-1914.
31. Braithwaite, J. (2008), "L (H) ≠  (m1, m2 ... mn)", Lidearship in Health
Services, Vol.21 N º 1, pp.8-15.
32. Buchan, J., Temido, M., Fronteira, I., Lapão, L., & Dussault, G. (2013).
Nurses in advanced roles: a review of acceptability in Portugal. Revista latino-
-americana de enfermagem, 21(SPE), 38-46.
33. Campbell et al, 2007; Reischauer et al, 2003
34. Conceição C, Fronteira I, Hipólito F, Lerberghe WV, Ferrinho P. 2005. Os
grupos Alfa e a adesão ao Regime Remuneratório Experimental. Rev Port Clin
Geral, 21:45-59.
35. Dickson, G. (2009), "Transformações na liderança canadense do sistema de
saúde: uma perspectiva analítica", Liderança em Serviços de Saúde, vol.22 N º
4, pp.292-305.
36. Gouveia M, Silva SN, Oliveira P, Miguel LS. 2005. Análise dos Custos dos
Centros de Saúde e do Regime Remuneratório Experimental. Associação Portuguesa
de Economia da saúde.
37. Gregório J, Lapão LV. 2011. Portuguese community pharmacists in 2020:
survival of the fittest. Revista Portuguesa de Farmácia 52 (5 suppl.).
38. Grumbach K, Bodenheimer T. 2004. Can Health Care Teams Improve Primary
Care Practice? JAMA 291:1246-1251
39. Hamel, G. (2006), O Futuro da Gestão, da Harvard Business School Press.
40. Kingdon JW. 1995. Agenda, Alternatives, and Public Policies. 2nd Edition.
HarperCollins College Publishers: New York.
41. Lapão LV (2014) Erkenntnisse aus 50 Jahren Reformerfahrung in der primären
Gesundheitsversorgung in Portugal. Jahrbuch für Kritische Medizin und
Gesundheitswissenschaften 50, 30-52
42. Lapão, L. V., & Dussault, G. (2012). From policy to reality: clinical managers'
views of the organizational challenges of primary care reform in Portugal.
The International journal of health planning and management, 27(4), 295-307.
Lapão LV, Dussault G. 2011. PACES: a National leadership program in support
of Primary-Care Reform in Portugal. Leadership in Health Services 24 (4).
43. Lapão LV. 2010. PACES: Programa Avançado de Gestão para Directores Executivos
dos ACES. Lisbon, INA Editora.
44. Lapão LV. 2008. The role of Complexity and Innovation in the new Primary
Care Governance Model in Portugal. The Innovation Journal – Special Issue on
Complexity 13 (3) article 8. doi: 10.1.1.174.4044
MCSP (2007), "Declaração de Lei MCSP", Aude Missão parágrafo OS Cuidados
Primários de S, disponível em: http://www.mscp.min-saude.pt (acessado em
2010/07/06).
45. Mable A, Marriot J, Marriot-Mable E. 2012. Canadian primary healthcare
policy—The evolving status of reform, Ottawa, Canadian Health Services Research
Foundation.
46. Macinko J, Starfield B, Shiet L. 2003. The contribution of primary care systems
to health outcomes within OECD countries, 1970–1998. Health Serv. Res.
38: 819–853.
47. Pisco L. 2008. Reform of Primary Health Care in Portugal. Jornal Médico
de Familia, nº 151 SE.
48. Plsek, PE and Wilson, T. (2001), “Complexity, leadership, and management
in healthcare organizations”, British Medical Journal , 323 (7315): 746-9.
49. Potter C, Brough R. 2004. Systemic capacity building: a hierarchy of needs,
Health Policy and Planning, 19(5): 336–345.
50. Starfield B. 2011. "Politics, primary healthcare and health." J Epidemiol
Community Health 65:653-655.
51. Starfield B. 2007. III Seminário Internacional de APS, Fortaleza, Brasil.
52. Starfield B, Shi L. 2002. Policy relevant determinants of health: an international
perspective. Health Policy, 60:201–218.
53. Starfield B. 1998. Primary care. Balancing health needs, services and technology.
New York, Oxford University Press.
54. Suraratdecha C, Saithanu S, Tangcharoensathien V .2005. Is universal coverage
a solution for disparities in health care? Findings from three low-income
provinces of Thailand. Health Policy, 73:272–284.
55. Trisolini MG .2002. Applying business management models in healthcare. The
International Journal of Health Planning and Management 17(4): 295 –314.
56. USF-AN, 2016. Website da USF Associação Nacional. Acedido em 4 de Abril
de 2016.
57. WHO .1978. Declaration of Alma-Ata. Adopted at the International Conference
on Primary Health Care, Alma-Ata, 6-12 September 1978.
58. WHO (2008), Primary-care: Now more than ever , World Health Organization.
Geneva.
59. Zwanenberg T. van and Harrison, J. (2007), Clinical Governance in Primary
Care . 2 nd Edition, Radcliffe Medical Press, Oxford.
Publicado
2018-08-28