Avaliabilidade do programa Saúde na Escola: um estudo de caso orientado para a aplicação de conhecimentos sobre a integração entre Unidade Básica de Saúde e Escola de Ensino Fundamental no Brasil

  • Fernanda P. S. L. Oliveira Doutoranda no Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais (FO-UFMG), na área da Saúde Coletiva – Brasil
  • Zulmira Hartz Professora catedrática convidada de Avaliação em Saúde; Global Health and Tropical Medicine, GHTM, Instituto de Higiene e Medicina Tropical, IHMT, Universidade Nova de Lisboa, UNL, Lisboa, Portugal
  • Andrea M. D. Vargas Professora Associada do Departamento de Odontologia Social e Preventiva da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais (FO-UFMG) – Brasil
  • Sónia Dias Professora do Instituto de Higiene e Medicina Tropical; Global Health and Tropical Medicine, GHTM, Instituto de Higiene e Medicina Tropical, IHMT, Universidade Nova de Lisboa, UNL, Lisboa, Portugal
  • Efigenia F. Ferreira Professora Titular do Departamento de Odontologia Social e Preventiva da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais (FO-UFMG) – Brasil
Palavras-chave: Avaliação em Saúde, estudos de avaliação, avaliação de processos e resultados (Cuidados de saúde), promoção da Saúde, Saúde Escolar

Resumo

O Programa Saúde na Escola (PSE) amplia as ações de saúde aos alunos da rede pública do ensino fundamental, preconizando a junção entre a Educação Básica e as equipas de Saúde da Família por meio da integração entre a educação e a saúde com a participação da comunidade escolar. Pretende-se desenvolver uma avaliação do Programa Saúde na Escola (PSE) em conjunto com os atores envolvidos, promovendo ao mesmo tempo a integração entre a Unidade Básica de Saúde (UBS) e a Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF), potencializando as atividades do PSE e identificando os possíveis problemas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Brasil. Presidência da República. Decreto nº 6.286, de 5 de dezembro de 2007.
Institui o Programa Saúde na Escola - PSE, e dá outras providências. Diário Oficial
da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 5 dez. 2007.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento
de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.96p. il.-(Série B. Textos
Básicos de Saúde) (Cadernos de Atenção Básica;n.24) ISBN:978-85-334-1644-4.
3. Graciano AMC, Cardoso NMM, Mattos FF, Gomes VE, Borges-Oliveira AC
(2005). Promoção da Saúde na Escola: história e perspectivas. Journal of Health &
Biological Sciences; 3(1):34-38.
4. Brasil. Portal do Departamento de Atenção Básica. Programa Saúde Na Escola
(PSE): Passo A Passo Para Adesão. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/
portaldab/pse.php Consultado em 04 de fevereiro de 2016.
5. Brasil. Ministério da Educação (MEC). Programa Saúde na Escola: saiba mais.
Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1
6795&Itemid=1127 Consultado em 04 de fevereiro de 2016.
6. Souza AA, Souza V, Guerra M (2011). Educação e saúde na escola/ Belo
Horizonte: CAED-UFMG, 2011.293p. il. ISBN:978-85-64724-06-8.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Escolas Promotoras de Saúde: experiências do
Brasil/Ministério da Saúde, Organização Pan-Amaricana da Saúde. -Brasília:
Ministério da Saúde, 2007.304p.-(Série Promoção da Saúde; n.6)
8. Contandriopoulos AP (2006). Avaliando a institucionalização da avaliação. Cien.
Saúde Colet.; 11(3): 705-711.
9. Furtado JP (2001). Um método construtivista para a avaliação em saúde. Cien.
Saúde Colet.; 6 (1):165-181.
10. Sancho LG, Dain S (2012). Avaliação em Saúde e Avaliação Económica em
Saúde: introdução ao debate sobre seus pontos de inserção. Cien. Saúde Colet.;
17(3): 765-74.
11. Hartz ZMA (1997). (Org.) Avaliação em Saúde: dos modelos conceituais à
prática na análise da implantação de programas [online]. Rio de Janeiro: Editora
FIOCRUZ; 132. ISBN 85-85676-36-1. Available from SciELO Books books.scielo.org>.
12. Vieira-Da-Silva LM (2005). Conceitos, abordagens e estratégias para avaliação
em saúde. In: HARTZ, Z.M.A; VIEIRA-DA-SILVA, L.M., organizadores. Avaliação
em saúde: dos modelos teóricos à prática na avaliação de Programas e Sistemas de
saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; Salvador: EDUFBA; 15-39.
13. Champagne F, Brousselle A, Hartz Z, Contrandriopoulos AP. Modelizar
as Intervenções. In: BROUSELLE et al. (2011). (Org.) Avaliação: conceitos e
métodos. Rio de Janeiro: Fiocruz, cap. 3, 61-74.
14. Center for the Advancement of Community Based Public Health (CBPH).
Engajar as partes interessadas. In:______. Uma Estrutura de Avaliação para os
Programas de Saúde para a Comunidade (2011). Carolina do Norte: CBPH,
cap.3, 1-67.
15. Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Framework for program
evaluation in public health. MMWR (1999); 48(RR-11):[inclusive page numbers];
1-40.
16. Hartz ZMA (2006). Princípios e padrões em meta-avaliação: diretrizes para os
programas de saúde. Ciênc. Saúde Colet;11(3): 733-738.
17. Figueiró AC, Hartz ZM, Thuler LC, Dias AL (2010). Meta-evaluation of
baseline studies of the Brazilian Family Health Strategy Expansion Project: a
participatory and formative approach. Cad Saude Publica; 26(12):2270-8.
18. Alves CKA, Carvalho EF de, Cesse EAP, Natal S, Bezerra LCA, Felisberto E
(2010). Análise da implantação de um programa com vistas à institucionalização
da avaliação em uma Secretaria Estadual de Saúde. Rev. Bras. Saúde Mater.
Infant.; 10(Suppl 1): 145-156.
19. Magarinos-Torres R, Osório-de-Castro CGS, Pepe VLE (2007). Critérios e
indicadores de resultados para a farmácia hospitalar brasileira utilizando o método
Delfos. Cad. Saúde Pública;23(8):1791-1802.
20. Deslandes SF, Mendes CHF, Pires TO, Campos DS (2010). Use of the
Nominal Group Technique and the Delphi Method to draw up evaluation
indicators for strategies to deal with violence against children and adolescents in
Brazil. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant.: 10(Suppl 1): s29-s37.
21. Ohinmaa A, Langille JL, Jamieson S, Whitby C, Veugelers PJ (2011). Costs
of implementing and maintaining comprehensive school health: the case of the
Annapolis Valley Health Promoting Schools program. Can J Public Health;
102(6):451-4.
22. Moodie ML, Herbert JK, De Silva-Sanigorski AM, Mavoa HM, Keating CL,
Carter RC, Waters E, Gibbs L, Swinburn BA (2013). The cost-effectiveness of a
successful community-based obesity prevention program: the be active eat well
program. Obesity (Silver Spring); 21(10):2072-80.
23. Contandriopoulos AP, Lachaine J, Brousselle A. A avaliação económica. In:
BROUSELLE et al. (2011).(Org.) Avaliação: conceitos e métodos. Rio de Janeiro:
Fiocruz; cap.9:183-216.
24. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento
de Atenção Básica. Instrutivo PSE/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à
Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011.
xxp.:il.-(Série C.Projetos, programas e relatórios).
25. Gelli A, Al-Shaiba N, Espejo F (2009). The costs and cost-efficiency of
providing food through schools in areas of high food insecurity. Food Nutr Bull.
2009;30(1):68-76.
26. Bardin L (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70. 279p.
Publicado
2018-08-28
Secção
Gestão, meta-avaliação e redes de conhecimento

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)