A gestão do conhecimento no contexto de uma emergência em Saúde Pública: o caso da síndrome congénita do Zika vírus, em Pernambuco, Brasil

  • Luciana Caroline Albuquerque Bezerra Graduada em Odontologia; Mestre em Saúde Pública; Doutoranda em Saúde Internacional do Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa; Pesquisadora do Grupo de Estudos de Gestão e Avaliação em Saúde (GEAS) e Docente do Programa de Pós-Graduação em Avaliação em Saúde do Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira – IMIP; Secretária Executiva de Vigilância em Saúde da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco, Recife (PE), Brasil
  • Eronildo Felisberto Graduado em Medicina; Doutor em Saúde Pública; Pesquisador do Grupo de Estudos de Gestão e Avaliação em Saúde (GEAS) e Docente do Programa de Pós- Graduação em Avaliação em Saúde do Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira – IMIP, Recife (PE), Brasil
  • Juliana Martins Barbosa da Costa Graduada em Odontologia; Doutora em Saúde Pública; Pesquisadora do Grupo de Estudos de Gestão e Avaliação em Saúde (GEAS) e Docente do Programa de Pós- Graduação em Avaliação em Saúde do Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira – IMIP; Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) - Caruaru (PE), Brasil
  • Marcella de Brito Abath Graduada em Fonoaudiologia; Doutora em Saúde Pública; Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES/PE) – Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde, Recife (PE), Brasil
  • Zulmira Hartz Professora catedrática convidada de Avaliação em Saúde; Global Health and Tropical Medicine, GHTM, Instituto de Higiene e Medicina Tropical, IHMT, Universidade Nova de Lisboa, UNL, Lisboa, Portugal
Palavras-chave: Gestão do conhecimento, Políticas de Saúde, Gestão da Saúde, Vigilância Epidemiológica, Síndrome Congénita do Vírus Zika

Resumo

A Gestão do Conhecimento (GC) agrega estratégias de desenvolvimento, aprimoramento, disseminação e uso do conhecimento influenciando ações e decisões no contexto organizacional. Tem a ver com a criação, identificação, captura, compartilhamento e uso do conhecimento, aproximando-se do que se espera na resposta a uma Emergência em Saúde Pública (ESP). O objetivo desse estudo foi analisar a GC da epidemia de Síndrome Congénita do Zika Vírus (SCZ), em Pernambuco, estado do nordeste do Brasil. Com base num modelo analítico que explora capacidades diádicas fundamentais à cadeia de valor da GC: Mapeamento e aquisição do conhecimento; produção e destruição do conhecimento; integração e compartilhamento do conhecimento; multiplicação e proteção do conhecimento; desempenho do conhecimento e inovação, adaptado aos componentes de uma ESP, foi realizado um estudo qualitativo com entrevistas abertas e análise documental. Os resultados apontam para a produção de eventos e inscrições nos critérios definidos para as cinco capacidades diádicas da GC estudadas, na ocasião da epidemia de SCZ, encontrando lacunas apenas no desempenho do conhecimento/inovação, sobretudo no que se refere à medição dos resultados e consequências alcançadas pela reprodução do conhecimento. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Felisberto E, Samico I, Bezerra LCA, Hartz Z. Institucionalizando a avaliação nas organizações e agências de pesquisas: um estudo de caso exemplar. Saúde debate [Internet]. 2017 Mar [citado 2017 Set 20] ; 41( spe ): 387-399. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042017000500387&lng=pt.

2. Højlund S. Evaluation use in the organizational context - changing focus to improve theory. Evaluation 2014 20: 26-43.

3. Nonaka I. A dynamic theory of organizational knowledge creation. Organization Sci- ence, 5, 1 [1994), 14–37.

4. Nonaka I, Takeuchi H. The knowledge-creating company: how Japanese companies create the dynamics of innovation. New York: Oxford University Press, 1995.

5. Denning S. What is Knowledge? Definitions of Knowledge. Disponível online em http://www.stevedenning.com/Knowledge-Management/default.aspx (acesso em 01 de agosto de 2015).

6. Landry Réjean, Amara Nabil, Pablos-Mendes Ariel, Shademani Ramesh and Gold Irving. The knowledge-value chain: a conceptual framework for knowledge translation in health. Bulletin of the World Health Organization. August 2006, 84 (8).

7. Bennet G, Jessani N (2011). The knowledge translation toolkit: bridging the know-do gap: a resource for researchers. Retrieved from: http://web.idrc.ca/openebooks/508-3/)

8. Schlesinger CCB et al. Gestão do Conhecimento na Administração Pública. Curitiba, Instituto Municipal de Administração Pública – IMAP, 2008. 120p.

9. Beijerse RP. uit [1999) “Questions in knowledge management: defining and conceptualising a phenomenon”, Journal of Knowledge Management, Vol. 3 Issue: 2, pp.94-110. In: https://doi.org/10.1108/13673279910275512

10. Rowley J [1999). “What is knowledge management?”, Library Management, Vol. 20 Issue: 8, pp.416-420, https://doi.org/10.1108/01435129910291175

11. Hage CE, Penna G, Oliveira WK de. Emergências de saúde pública: conceito, caracterização, preparação e resposta. Estud. av.[online]. 2008, vol.22, n.64, pp.19-32. ISSN 0103-4014. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142008000300003.

12. World Health Assembly, 2005. Revision of the International Health Regulations, WHA 58.3 (May 23, 2005) Disponível em:

13. Cauchemez Simon et al. Association between Zika virus and microcephaly in French Polynesia, 2013–15: a retrospective study. The Lancet, mar., 2016. Volume 387 , Issue 10033, 2125 - 2132

14. European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC). Rapid risk assessment: Microcephaly in Brazil potentially linked to the Zika virus epidemic – 24 November 2015. Stockholm: ECDC; 2015.

15. Oliveira WK de, Cortez-Escalante J, Oliveira WT de, Carmo GM do, Henriques CM and Coelho GE. Increase in reported prevalence of microcephaly in infants born to women living in areas with confirmed Zika virus transmission during the first trimester of pregnancy—Brazil, 2015. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2016;65:242–7. In: http://dx.doi.org/10.15585/mmwr.mm6509e2

16. Microcephaly Epidemic Research Group (MERG). Microcephaly in Infants, Pernambuco State, Brazil, 2015. Emerging Infectious Diseases. www.cdc.gov/eid. Vol. 22, No. 6, June 2016.

17. Miranda-Filho DB, Martelli CM, Ximenes RA, Araújo TV, Rocha MA and Ramos RC. Initial description of the presumed congenital Zika syndrome. Am J Public Health. 2016;106:598–600. http://dx.doi.org/10.2105/AJPH.2016.303115

18. Souza WV de, Araújo TVB de, Albuquerque MFP, Braga MC, Ximenes RAA, Miranda-Filho DB. Microcefalia no Estado de Pernambuco, Brasil: características epidemiológicas e avaliação da acurácia diagnóstica dos pontos de corte adotados para notificação de caso. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2016. Consultado em 21 de julho de 2016. In: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00017216.

19. Pernambuco. Centro de Informações Estratégicas da Vigilância em Saúde (CIEVS). 2017. Informe Técnico – n° 18/2017. Síndrome congénita relacionada à infecção pelo vírus Zika. Consultado em 16 de setembro de 2017. In: https://docs.wixstatic.com/ugd/3293a8_6df5c877feed41bbb0591a0664f84c19.pdf

20. Pernambuco. Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde. Diretrizes de Vigilância Epidemiológica da Síndrome Congénita relacionada à Infecção pelo Vírus Zika em Pernambuco. Pernambuco: Secretaria Estadual de Saúde, 2017. 43p. In: https://docs.wixstatic.com/ugd/3293a8_af73f07e7a-4f4e4e89561c4151748102.pdf

21. World Health Organization (WHO). Communicable disease control in emergencies: a field manual. Edited by M. A. Connolly, 2005.

22. Latour B. A esperança de pandora. São Paulo: EDUSC; 2001.

23. Pluye P, Potvin L, Denis J-L, Pelletier J, Mannoni C. Program sustainability begins with the first events. Evaluation and Program Planning (28) 123–137, 2005.

24. Minayo MCS. (2004). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde, 8ª ed. São Paulo: Hucitec.

25. Chaim Z. (2006). Redefining information science: from “information science” to “knowledge science””, Journal of Documentation, Vol. 62 Issue: 4, pp.447-461.

26. Champagne F. O uso de evidências científicas e de conhecimento por gestores. Paper apresentado na “Fechando o Loop: 3ª Conferência sobre Base Científica de Saúde” Toronto, 1 a 3 de outubro de 1999. Universidade de Montreal N99 01.

27. Becerra-Fernandez I, Sabherwal R (2001). Organizational Knowledge Management: A Contingency Perspective. Journal of Management Information Systems. Volume 18, p. 23-55.

28. Gonzalez RVD, Martins M.F (2015). Gestão do conhecimento: uma análise baseada em fatores contextuais da organização. Production, v. 25, n. 4, p. 834-850

29. Craveiro I, Hartz Z. Investigação do papel das redes de investigação na translação do conhecimento. Suplemento dos Anais do IHMT. An Inst Hig Med Trop 2016; 15 (Supl. 2): S35- S40.

30. Batista FF. Governo que aprende: gestão do conhecimento em organizações do executivo federal. Texto para discussão Nº 1022, Brasília, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 108 p., junho, 2004.
Publicado
2018-06-20

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)