Como potenciar a produção e translação de conhecimento na investigação participativa? A experiência de um projeto na área do VIH/Sida

  • Sónia Dias Global Health and Tropical Medicine, GHTM, Instituto de Higiene e Medicina Tropical, IHMT, Universidade Nova de Lisboa, UNL, Lisboa, Portugal
  • Ana Gama Global Health and Tropical Medicine, GHTM, Instituto de Higiene e Medicina Tropical, IHMT, Universidade Nova de Lisboa, UNL, Lisboa, Portugal
  • Luís Mendão GAT-Grupo Português de Activistas sobre o Tratamento de VIH/Sida Pedro Santos, Lisboa, Portugal
  • Zulmira Hartz Professora catedrática convidada de Avaliação em Saúde; Global Health and Tropical Medicine, GHTM, Instituto de Higiene e Medicina Tropical, IHMT, Universidade Nova de Lisboa, UNL, Lisboa, Portugal

Resumo

Um desafio da investigação em saúde pública tem sido promover a utilização do conhecimento científico produzido em estratégias de ação e políticas de saúde mais eficazes, adequadas e que, consequentemente, se traduzam em efetivos ganhos em saúde. A translação do conhecimento tem, assim, assumido uma importância crítica para a investigação em saúde. Neste artigo pretende-se refletir sobre como se procurou potenciar a translação de conhecimento num projeto de investigação participativa na área do VIH/Sida. O projeto PREVIH teve como objetivo contribuir para promover a saúde sexual, reduzir a transmissão da infeção pelo VIH e melhorar o acesso aos cuidados de saúde de homens que têm sexo com homens e trabalhadores do sexo em Portugal, bem como promover a capacitação e o advocacy dos vários intervenientes. Através da abordagem participativa, o projeto constituiu uma intervenção que, enquanto processo de inovação social, contribuiu para a criação de novas sinergias e para a mudança do sistema, alterando atividades existentes, criando novos papéis e redistribuindo e transformando recursos por toda a rede. Esta experiência desencadeou um processo dinâmico e interativo de produção de conhecimento e sua tradução em iniciativas efetivas para a melhoria da saúde das populações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. WHO (2006). Bridging the “know-do” gap: Meeting on knowledge translation in
global health [Internet]. Consultado em 23 de março de 2016. In: http://www.who.
int/kms/WHO_EIP_KMS_2006_2.pdf
2. Canadian Institutes of Health Research (2016). Knowledge Translation. Consultado
em 13 de abril de 2016. In: http://www.cihr-irsc.gc.ca/e/29418.html#1
3. Pearson A, Jordan Z, Munn Z (2012). Translational science and evidence-based healthcare:
A clarification and reconceptualization of how knowledge is generated and used
in healthcare. Nurs Res Pract 792519: 1-6.
4. Dias S, Gama A (2014). [Community-based participatory research in public health:
Potentials and challenges]. Rev Panam Salud Publica 35(2): 150–154.
5. Koelen MA, Vaandrager L, Colomér C (2001). Health promotion research: Dilemmas
and challenges. J Epidemiol Community Health 55(4): 257-262.
6. Clavier C, Sénéchal Y, Vibert S, Potvin L (2012). A theory-based model of translation
practices in public health participatory research. Sociol Health Illn 34(5): 791-805.
7. Mantoura P, Gendron S, Potvin L (2007). Participatory research in public health:
Creating innovative alliances for health. Health Place 13(2): 440-451.
8. Bisset S, Daniel M, Potvin L (2009). Exploring the intervention-context interface: A
case from a school-based nutrition intervention. Am J Eval 30(4): 554-571.
9. Lavis JN (2006). Research, public policy, and knowledge-translation processes: Canadian
efforts to build bridges. J Contin Educ Health Prof 26(1): 37–45.
10. Tetroe J, Graham ID, Foy R, Robinson N, Eccles M, Wensing M, Durieux P, Legare F,
Nielson CP, Adily A, Ward JE, Porter C, Shea B, Grimshaw JM (2008). Health research
funding agencies’ support and promotion of knowledge translation: An international
study. Milbank Q 86(1): 125–155.
11. Boog B (2003). The emancipatory character of action research, its history and the
present state of the art. J Community Appl Soc Psychol 13: 426-438.
12. Wallerstein N, Duran B (2006). Using community-based participatory research to
address health disparities. Health Promot Pract 7(3): 312–323.
13. Israel BA, Schulz AJ, Parker EA, Becker AB (1998). Review of community-based
research: Assessing partnership approaches to improve public health. Annu Rev Public
Health 19: 173–202.
Publicado
2018-08-28
Secção
Gestão, meta-avaliação e redes de conhecimento

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)